13:38 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    General James Terry diz que os Estados Unidos lamentam por mortes não-intencionais provocadas por ataques norte-americanos na Síria

    Comissão da ONU acusa EUA de cometer assassinatos em massa na Síria

    © REUTERS / Amer Almohibany
    Mundo
    URL curta
    23153

    A Comissão Internacional Independente de Inquérito sobre a Síria, que faz parte das Nações Unidas, acusou os Estados Unidos e seus aliados de cometer assassinato em massa na Síria.

    De acordo com os dados apresentados pelo chefe da Comissão, Paulo Sergio Pinheiro, os bombardeios de áreas adjacentes à "capital" do autoproclamado califado do Daesh (Estado Isâmico), em Raqqa, causaram centenas de vítimas civis que viviam involuntariamente nessas áreas sob o controle dos jihadistas.

    "A luta contra o terrorismo, que é uma necessidade essencial, não deve ser às custas da vida de civis, que involuntariamente vivem em áreas controladas pelo Daesh", disse Pinheiro.

    Outro membro da comissão, Karen AbuZayd, disse que o número de mortos é de cerca de 300 pessoas. A maioria dessas pessoas são vítimas de ataques aéreos sobre a aldeia de Al Mansura, situada na província de Raqqa.

    A operação militar da coalizão liderada pelos EUA na Síria e no Iraque começou em 2014, quando Washington declarou guerra aos jihadistas do Daesh. 

    Mais:

    Lançadores de foguetes que EUA instalam na Síria podem ser usados contra forças do governo
    Mídia: EUA deslocam mais lançadores múltiplos de foguetes para a Síria
    Embaixador: EUA não foram convidados para encontro em Astana sobre Síria
    Ações da coalizão dos EUA na Síria apenas dificultam derrota do Daesh
    Síria diz que ataques da coalizão liderada pelos EUA fortalecem Daesh
    Tags:
    civis, mortes, assassinato, ataque aéreo, bombardeio, ONU, EUA, Raqqa, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik