01:32 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados da OTAN

    Embaixador russo na OTAN diz que reforço da Aliança na Europa 'é muito perigoso'

    © AP Photo/ Mindaugas Kulbis
    Mundo
    URL curta
    410

    A Rússia repetidamente manifestou preocupação com a expansão militar da OTAN perto de suas fronteiras, encarando a política da Aliança do Norte como uma retórica dos tempos da Guerra Fria.

    O representante permanente da Rússia na OTAN, Aleksandr Grushko, afirmou que o reforço das forças da OTAN na Europa provocou uma virada qualitativa para o pior. Segundo ele, "a situação é muito perigosa".

    "Nossa avaliação sobre isto é bem conhecida: houve uma virada qualitativa para o pior, e pela primeira vez em muitos anos a segurança na região será mais uma vez determinada não pelas medidas de contenção, não por um esforço de garantir a segurança sem a ênfase em meios militares, mas através da manutenção de um certo 'equilíbrio de ameaças'", afirmou o diplomata russo no âmbito do Clube de Discussão Internacional de Valdai. 

    "Nós não vemos nenhum sinal de que a OTAN esteja pronta para parar. Pelo contrário, uma considerável incerteza permanece em relação à possibilidade destas medidas serem reforçadas", disse o representante permanente da Rússia na Aliança. 

    A Rússia vem reiteradamente considerando a expansão militar da OTAN perto de suas fronteiras como um reforço perigoso da corrida armamentista.

     

    Telegram

    Siga Sputnik Brasil no Telegram. Todas as notícias mundiais do momento em um só canal. Não perca!

    Mais:

    Delegação ucraniana revela à OTAN 'ligações' entre Rússia e Daesh
    MRE: Iniciativas da OTAN perto da Rússia levam ao perigoso reforço da corrida armamentista
    Ações da OTAN poderiam ser recebidas pela Rússia como amigáveis?
    Rússia se preocupa com aumento de 40% dos gastos militares dos EUA na OTAN
    Tags:
    expansão, Guerra Fria, militar, corrida armamentista, fronteira, OTAN, Aleksandr Grushko, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik