12:50 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Luiz Inácio Lula da Silva e Nicolas Sarkozy, ex-presidentes de Brasil e França, durante um encontro em Paris em setembro de 2011

    Lava Jato: França investiga se houve propina por submarino nuclear

    © AFP 2017/ LIONEL BONAVENTURE
    Mundo
    URL curta
    1834

    A Justiça francesa está investigando se pagamentos de propina podem ter ajudado o país europeu a vencer a disputa para vender submarinos ao Brasil em 2008, segundo revelou a mídia da França neste sábado.

    De acordo com o jornal Le Parisien, a Procuradoria Financeira Nacional francesa deu início a uma investigação a respeito de "propinas [pagas] a autoridades públicas estrangeiras". A apuração envolvia o contrato assinado em 2008 entre os dois países.

    A assinatura do contrato para compra dos submarinos aconteceu durante uma visita do então presidente francês Nicolas Sarkozy ao Brasil, relembrou a publicação. O presidente brasileiro na ocasião era o petista Luiz Inácio Lula da Silva.

    O Brasil encomendou um submarino nuclear e quatro submarinos de ataque convencional Scorpene, fabricados pela DCNS, um grupo industrial francês especializado em defesa naval e energia, em colaboração com a empresa naval espanhola Navantia.

    Segundo a Agência AFP, um porta-voz da DCNS negou qualquer irregularidade no caso, afirmando que a empresa "respeita a lei em todo o mundo".

    De acordo com uma fonte ligada à Presidência francesa, 4,1 bilhões de euros do contrato de 6,7 bilhões ficariam com a França, enquanto o restante dos recursos seria distribuídos pelo serviço de companhias brasileiras envolvidas na construção dos submarinos.

    A questão dos submarinos também está no radar da Operação Lava Jato. Em delações premiadas homologadas neste ano, cinco executivos da Odebrecht revelaram que R$ 31 bilhões ligados ao submarino nuclear viraram propina para militares e dinheiro de caixa 2 para o PT.

    A DCNS foi mencionada pelos executivos. A empresa francesa teria procurado a Odebrecht para participar como parceira do projeto e orientou que repasses ilegais fossem feitos a um operador da firma no Brasil: o lobista José Amaro Ramos. Este faria a distribuição aos demais envolvidos.

    O projeto do submarino nuclear e dos demais submarinos convencionais segue em andamento e a Marinha brasileira estima que esteja 100% concluído em 2027.

    Telegram

    Siga Sputnik Brasil no Telegram. Todas as notícias mundiais do momento em um só canal. Não perca!

    Mais:

    Janot pede que Temer seja investigado por corrupção e obstrução da Lava Jato
    Relator da Lava Jato nega habeas corpus a Palocci
    Advogado ligado a Renan Calheiros é alvo da PF em nova fase da Lava Jato
    Tags:
    Operação Lava Jato, corrupção, Caixa 2, submarinos, PT, DCNS, Odebrecht, AFP, José Amaro Ramos, Nicolas Sarkozy, Luiz Inácio Lula da Silva, França, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik