14:42 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Homem com máscara de oxigênio depois do alegado ataque químico na cidade de Khan Shaykhun,em Idlib, Síria, em 4 de 2017

    Rússia está preocupada com o bloqueio pelos EUA da investigação da OPAQ em Idlib

    © REUTERS/ Ammar Abdullah
    Mundo
    URL curta
    271107

    As ações dos EUA e seus parceiros ocidentais que impedem a investigação do alegado ataque químico na província síria de Idlib são um sinal alarmante, pois mostram que a solução da crise na Síria não é o objetivo principal dos aliados, disse o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov.

    "Ontem a nossa proposta conjunta [com o Irã], propondo que os peritos da OPAQ visitassem os lugares do suposto incidente com armas químicas na Síria, foi bloqueado pelas delegações europeias sem motivos justificados. Este ato mostrou a completa inconsistência da posição de nossos parceiros ocidentais, que, na verdade, impedem a OPAQ de enviar seus inspetores ao lugar do incidente e àquele aeródromo a partir do qual terão supostamente decolado os aviões contendo projécteis com substâncias químicas", disse Lavrov durante o encontro com o chefe da Chancelaria chinesa, Wang Yi.

    "Não há dúvidas que as ações dos EUA e de seus aliados ocidentais, que bloquearam o envio de inspetores, destinado a estabelecer a verdade no local do incidente com armas químicas, provocam preocupações, pois representam uma tentativa velada de encontrar um pretexto para não cumprir a resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a regulação política (na Síria) e para que a comunidade internacional centre a atenção na criação de condições para a mudança do regime", disse Lavrov em entrevista a jornalistas.

    O ministro das Relações Exteriores também acrescentou que "a maioria esmagadora" dos países-membros da ONU não está de acordo com isso.

    "Acho que os que apoiam ativamente as conversações de Astana que, como se sabe, foram organizadas pela Rússia e Turquia juntamente com o Irã também não estão de acordo", acrescentou.

    A oposição síria comunicou em 4 de abril que no ataque químico na cidade de Khan Shaykhun morreram 80 pessoas e mais 200 ficaram feridas, acusando do incidente as tropas governamentais da Síria. Os últimos negaram as acusações e atribuíram a responsabilidade pelo ataque aos militantes e seus patronos. As autoridades da Síria afirmaram nunca terem usado armas químicas contra civis e terroristas, tendo o arsenal químico sido retirado do país sob controle da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ).

    Em seguida, na noite de 6 a 7 de abril, os EUA, sem apresentarem nenhumas provas da culpa dos militares sírios, realizaram um ataque contra a base aérea síria de Shayrat, lançando no total 59 mísseis.

    Mais tarde, em entrevista concedida à Sputnik, o presidente sírio, Bashar Assad disse não ter havido nenhum incidente em Idlib, mas uma provocação para justificar o ataque contra Shayrat.

    Mais:

    Rússia acusa Ocidente de bloquear investigações sobre ataque de armas químicas na Síria
    Opinião: Crise na Síria levará à perda da hegemonia global dos EUA
    Tags:
    ataque químico, incidente, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), ONU, Khan Shaykhun, Irã, Idlib, Shayrat, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik