14:40 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Presidente da Síria, Bashar Assad, visto durante uma visita do vice-primeiro-ministro russo, Dmitry Rogozin, a Damasco

    Assad diz à Sputnik: Não houve ataque químico em Khan Shaykhun; isso é provocação

    © Sputnik/ Sergei Mamontov
    Mundo
    URL curta
    71826154

    O presidente sírio, Bashar Assad, em uma entrevista concedida à Sputnik, negou as informações sobre a captura de Abu Bakr al-Baghdadi, o líder do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico), e comentou as acusações sobre o uso de armas químicas em Khan Shaykhun.

    "Isso não é verdade, de qualquer forma, essas fronteiras estão sob o controle do Daesh até este momento, não é síria nem russa, nem mesmo ocidental ou americana ou qualquer outra, é apenas o Daesh quem controla essas fronteiras, por isso é seguro para al-Baghdadi estar nessa área", disse Assad.

    Alguns meios de comunicação informaram anteriormente que al-Baghdadi havia sido preso na Síria perto da fronteira com o Iraque. Esta informação não foi confirmada oficialmente.

    Assad também declarou que os Estados Unidos e outros países ocidentais bloqueiam as tentativas de investigação sobre o uso de armas químicas na Síria.  

    "Especialistas verão que todos os relatos sobre o ataque químico em Khan Shaykhun não são verdade assim que eles chegarem ao local", disse o líder sírio.  

    Segundo ele, a Síria enviou uma carta à ONU solicitando o envio de uma delegação para investigar os supostos ataques químicos na região.

    "Formalmente, enviamos uma carta às Nações Unidas, que foi convidada a enviar uma delegação de especialistas para investigar o que aconteceu em Khan Shaykhun. Claro, eles não enviaram ninguém até agora, porque os países ocidentais e os Estados Unidos impedem a chegada de uma delegação", disse Assad.

    Assad argumentou que o Exército sírio atacou posições de rebeldes em Khan Shaykhun, mas diz que não houve uso de armas químicas e que o horário do ataque divulgado pelos países ocidentais não é correto.  

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik