12:17 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Vista de Moscou a partir da ponte Bolshoy Moskvoretsky

    Rússia: relações com EUA estão no período mais difícil desde a Guerra Fria

    © Sputnik / Yevgeny Biyatov
    Mundo
    URL curta
    10201

    Moscou espera ter negociações produtivas com secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, afirma chancelaria da Rússia.

    É muito importante não apenas para as relações bilaterais, mas também para a situação internacional.

    "Pelo visto, as relações russo-americanas passam pelo período mais difícil desde o fim da Guerra Fria. A administração anterior fez tudo o possível para agravá-las, tentando limitar uma maior influência da Rússia nos assuntos internacionais e, através de sanções, minar o nosso desenvolvimento econômico", destaca documento divulgado pelo ministério russo.

    Chancelaria russa também diz estar preocupada com a decisão dos EUA de resolver o problema de Pyongyang de modo unilateral.

    "Estamos muito preocupados com o que Washington planeja fazer em relação à Coreia do Norte, aludindo à possibilidade de  um roteiro unilateral de utilização da força", diz comunicado da chancelaria russa.

    Ao mesmo tempo o Ministério das Relações Exteriores da Rússia espera receber a resposta sobre os planos de Washington em relaçõa à Líbia:

    "Esperamos ouvir o que os EUA planejam fazer na Líbia que, em resultado da intervenção militar da OTAN, ficou dividida como o Iraque".

    Mencionando o último incidente ocorrido na sexta-feira passada, a chancelaria sublinhou que as ações dos EUA na Síria são uma violação do Direito Internacional e levam ao reforço das fileiras dos terroristas. O ministério frisou mais uma vez que o ataque dos EUA é um crime contra um governo soberano. O comunicado oficial expressa a vontade da chancelaria de realizar uma investigação objetiva do incidente em Khan Shaykhun, em que foram usadas armas químicas.

    Mais:

    Bashar Assad 'xingou' Trump reiniciando voos da base aérea Shayrat
    Trump quer 'gama completa de opções' para ação na Coreia do Norte
    Rússia não deve revidar se EUA voltarem a bombardear a Síria
    Tags:
    armas químicas, ataque, relações internacionais, Chancelaria, EUA, Oriente Médio, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik