13:12 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Ashton Carter, do Pentágono, durante um briefing em 30 de setembro

    Pentágono recomenda ao presidente dos EUA não coordenar ações na Síria com Rússia

    © AFP 2019 / SAUL LOEB
    Mundo
    URL curta
    18123
    Nos siga no

    O secretário de Defesa norte-americano, Ashton Carter, declarou nesta sexta-feira (11) que recomenda ao presidente dos EUA não coordenar as ações na Síria com a Rússia, até que Moscou "comece a fazer as coisas certas".

    Em entrevista ao canal CBS, Carter afirmou que o apoio da Rússia ao governo sírio "simplesmente alimenta a violência" no país árabe. 

    "A Rússia apoia plenamente eles [autoridades sírias]. E eu não recomendo ao presidente que nós nos associemos com isso e trabalhemos com os russos até que eles não comecem a fazer as coisas certas", disse ele. 

    Ao falar da política de Washington em relação a Moscou em geral, o chefe do pentágono declarou que a Rússia se comporta "de maneira agressiva na Europa, como aconteceu na Ucrânia e na Geórgia". 

    "E nós devemos resistir claramente contra possíveis agressões russas na Europa", acrescentou. 

    As relações entre a Rússia e o Ocidente deterioram-se com a crise da Ucrânia em 2014. Além disso, Moscou e Washington sempre divergiram em relação à abordagem na Síria.

    A Rússia, no entanto, repetidamente negou exercer interferência na crise ucraniana e sempre defendeu que a resolução da guerra civil na Síria deve vir do próprio povo sírio, rejeitando o apoio a grupos de oposição para derrubar o governo de Bashar Assad.

    Mais:

    'Possivelmente EUA prometeram Raqqa aos curdos em troca de sua presença militar na Síria'
    Grupo da oposição síria felicita Trump, novo presidente dos EUA
    EUA não buscam a federalização da Síria
    EUA continuarão apoiando parceiros na Síria em ofensiva contra Raqqa – Pentágono
    Tags:
    coordenação, agressão, guerra civil, conflito, ações, Pentágono, Ashton Carter, Ucrânia, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar