04:37 17 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    141237
    Nos siga no

    A Casa Branca começou a avaliar o aumento de suporte militar da oposição síria e mesmo a possibilidade de ataques às posições do exército sírio, informou a agência Reuters, citando uma fonte na presidência norte-americana.

    Sergei Lavrov e John Kerry em Viena
    Ministério das Relações Exteriores da Federação da Rússia
    Segundo as fontes, a avaliação está sendo feita por especialistas e propostas concretas ainda não foram apresentadas ao presidente Obama. Segundo os interlocutores da agência, as discussões seriam motivaras pelas dificuldades nas negociações sobre a Síria entre os EUA e a Rússia.

    O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, em conversa com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que Washington pretende interromper a cooperação com Moscou na Síria, se a ofensiva das tropas de Damasco em Aleppo não cessar.

    As fontes classificaram os ataques aéreos contra as bases aéreas sírias de menos prováveis, pois o risco de atingir militares russos seria muito grande.

    Por isso, segundo a Reuters, a opção mais real seria o apoio da oposição síria com mais armas, ou mesmo com suporte aéreo. Mais uma opção seria enviar um número maior de forças especiais norte-americanas ao país, para suporte de tropas sírias e curdas, que se contrapõem ao governo. 

    Mas cedo nesta quarta-feira, o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, confirmou que os órgãos de segurança nacional estão discutindo opções de soluções “não relacionados com diplomacia” na Síria, mas não quis especificar quais.

    Mais:

    EUA: interesse cauteloso em manter contato com a Rússia sobre Síria
    Embaixador sírio:'EUA não publicaram acordos sobre Síria para evitar sua implementação'
    Moscou publica texto do acordo entre EUA e Rússia sobre Síria
    EUA impõem termos à Rússia para firmar novos acordos sobre Síria
    Tags:
    Guerra Civil Síria, John Kirby, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar