20:00 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Navio da Marinha turca durante a parada militar no estreito de Bósforo em comemoração ao Dia de Vitória em Istambul, Turquia

    Economia turca pode ganhar $10 bilhões por melhorar relações com Rússia

    © AFP 2017/
    Mundo
    URL curta
    0 22112

    A economia da Turquia pode ganhar cerca de 10 bilhões de dólares nos próximos dois anos graças à normalização das relações com a Rússia. A previsão foi divulgada no relatório de riscos geopolíticos da agência investimentos Ata Yat·r·m.

    "A deterioração das relações bilaterais no comércio e turismo vai melhorar nos próximos anos, e os problemas atuais nas relações turco-russas serão resolvidos. Isto terá um impacto positivo sobre a economia turca, gerando um adicional de $4,5 a 5 bilhões por ano", afirma o relatório.

    Em 30 de junho, o presidente russo Vladimir Putin assinou um decreto corrigindo as medidas restritivas em relação à Turquia. Em particular, o decreto levanta duas sanções: a recomendação de não vender viagens à Turquia e a proibição de voos charter. 

    As relações entre Moscou e Ancara deterioraram após um caça F-16 das Forças Aerospaciais da Turquia ter abatido um caça russo Su-24 em território sírio. 

    O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que o incidente traria ‘sérias consequências’ para as relações entre os dois países, assinando, em 28 de novembro de 2015, um decreto que suspendeu a contratação de trabalhadores turcos a partir de 1° de janeiro de 2016.

    Mais:

    'OTAN se preocupa com cooperação energética entre Rússia e Turquia'
    Após pedir desculpas a Moscou, Turquia espera receber um milhão de turistas russos em 2016
    Normalização entre Rússia e Turquia 'não será tão fácil'
    Turistas russos são recebidos com coquetéis e flores na Turquia
    Turquia bombardeia curdos do PKK no norte do Iraque
    Turquia garantirá segurança na cúpula da OTAN
    Tags:
    caça, relações bilaterais, economia, Vladimir Putin, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik