01:19 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Suprema Rada, parlamento da Ucrânia

    Por que cordos de Minsk podem ser cumpridos apenas após 2017?

    © Sputnik / Nikolay Lazarenko
    Mundo
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    A implementação dos Acordos de Minsk pode ser prolongada até o ano de 2017 porque o parlamento ucraniano não está dando passos para aprovar a lei sobre as eleições locais no Donbass e o estatuto especial para alguns de seus territórios, escreveu o jornal russo Izvestia, citando uma fonte diplomática europeia.

    "É muito provável que a composição atual da Suprema Rada não aprove a lei sobre as eleições locais em Donbass. Também há problemas com a lei sobre a anistia. <…> A aplicação dos acordos de Minsk já foi prolongada até ao final de 2016, mas se Kiev for incapaz de cumprir suas obrigações durante este prazo, teremos que prolongar sua duração por mais um ano", afirmou ele.

    ​A fonte também sublinhou que "não há alternativa aos Acordos de Minsk".

    Donetsk e Lugansk são duas cidades grandes e capitais das regiões homônimas que existiam na Ucrânia. As autoridades de Kiev não acham o mesmo e insistem que as regiões assim denominadas continuam existindo. Já o Acordo de Minsk, instrumento legal assinado em fevereiro de 2015 — no ano passado — prefere considerar esta zona como "determinadas áreas das regiões" correspondentes. 

    Em abril de 2014, Kiev lançou uma operação militar no leste da Ucrânia em Donetsk e Lugansk, que chamou de "operação antiterrorista".

    O conflito causou mais de 9.400 mortos e mais de 21.800 feridos, segundo os últimos dados da ONU.

    Mais:

    Kiev sabota acordos de Minsk: prazo indicado por Washington é inviável
    Acordos de Minsk podem ser implementados até o fim do mandato de Obama
    Donetsk: Kiev trata acordos de Minsk como cardápio
    Tags:
    implementação, parlamento, eleições, lei, Acordos de Minsk, terrorismo, Suprema Rada, ONU, Lugansk, Kiev, Donetsk, Donbass, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar