00:44 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Barack Obama, presidente dos Estados Unidos (EUA)

    Washington: retirada russa da Síria surpreendeu a todos

    © AP Photo / Gerald Herbert
    Mundo
    URL curta
    Retirada das forças russas da Síria (28)
    6195

    Um alto representante do Departamento de Estado dos EUA revelou nesta terça-feira (15) aos jornalistas que Washington desconhecia os planos de Moscou sobre a retirada de suas forças militares da Síria, tendo ficado surpresa com esta decisão.

    “Não sabíamos com antecedência sobre a decisão de Putin” — disse o porta-voz norte-americano. Nas suas palavras, a decisão foi uma surpresa “para todos” e Washington ficou sabendo sobre a retirada através do noticiário.

    Mais cedo, o porta-voz da Casa Branca, Josh Ernest confirmou que a Rússia não havia informado os EUA sobre seus planos. No entanto, segundo ele, o presidente russo Vladimir Putin discutiu o assunto com o presidente dos EUA Barack Obama logo após o anúncio da retirada, em chamada telefônica agendada com antecedência.

    O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou que as tropas russas que participavam das ofensivas aéreas na Síria fossem retiradas a partir desta terça-feira (15). A operação militar russa no país começou em setembro do ano passado a pedido do presidente sírio, Bashar Assad, para ajudar na luta contra grupos terroristas como o Estado Islâmico (Daesh) e a Frenta al-Nusra. 

    De acordo com o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, a operação russa contribuiu para dificultar o fornecimento de armas e munições aos terroristas, interrompendo os principais canais de tráfico de petróleo e abatendo milhares de terroristas.

    Tema:
    Retirada das forças russas da Síria (28)

    Mais:

    Casa Branca perplexa com retirada russa da Síria
    Conselho de Segurança da ONU elogia retirada de forças russas da Síria
    Pentágono confirma retirada de aviões russos da Síria
    Tags:
    surpresa, retirada, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar