05:17 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    124
    Nos siga no

    Criticado pelo líder venezuelano Nicolás Maduro, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, alegou motivos de saúde e anunciou que não irá ao Equador para a Cúpula da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), apesar de ter acabado de voltar de uma viagem bastante ativa a Davos, na Suíça.

    Segundo comunicou a Casa Rosada no domingo (24), a vice-mandatária Gabriela Michetti irá a Quito no lugar do presidente. A informação oficial é de que o secretário-geral da Presidência da República, Fernando de Andreis, recebeu uma carta assinada pelo diretor da Unidade Médica Presidencial recomendando que Macri evite se deslocar até à capital do Equador devido a um traumatismo torácico sofrido pelo chefe de Estado em 8 de janeiro.

    Segundo os médicos, o traumatismo impõe a necessidade de desencorajar, momentaneamente, qualquer viagem a lugares que estejam a 2.400 metros ou mais de altura em relação ao nível do mar. 

    Quito, que sediará a Cúpula da CELAC na próxima quarta-feira (27), fica a uma altura média de 2.700 metros. No entanto, Macri esteve na quarta, na quinta e na sexta-feira passadas participando ativamente do Fórum Econômico Mundial em Davos, que, curiosamente, é a cidade mais alta da Europa, a cerca de 1.600 metros acima do nível do mar. 

    A "recomendação médica" parece mais significativa e mais conveniente quando se observa que o anúncio da Casa Rosada sobre a ausência do presidente argentino na Cúpula da CELAC foi feito logo após terem circulado, na imprensa argentina, notícias sobre as duras críticas do presidente venezuelano Nicolas Maduro contra Macri, a quem acusou de agredir a Venezuela e de tentar quebrar a unidade da América Latina. 

    "Ou nos respeitamos a todos ou se acabam as regras do jogo nesta batalha pela nova América e pela nova história. Assim eu digo ao presidente da Argentina, que vem atacando a Venezuela", disse Maduro, dando uma prévia de como se posicionaria na reunião de líderes da América Latina e do Caribe, em Quito.

    Em comentários televisionados na noite de sábado (23) em Caracas, Maduro disse ainda que as “regras do jogo” devem ser recuperadas “com base em um grande diálogo”, e que iria propor suas ideias na Cúpula da CELAC.

    "Vou com tudo à Cúpula da CELAC em Quito, ninguém vai me calar. Vou com todas as verdades e que o espírito de união na diversidade seja respeitado. Não vou aceitar abusos de ninguém lá", afirmou o presidente venezuelano, em clara alusão a Macri.

    Especula-se, portanto, se o líder argentino resolveu usar uma desculpa médica para se ausentar da reunião e evitar um confronto cara a cara com Maduro. De qualquer forma, sua imagem diante da oposição já está fragilizada no que diz respeito à sua disposição ao diálogo. Ontem (24), organizações de direitos humanos da Argentina expressaram preocupação pelo fato de o presidente ter se recusado a recebê-las. 

    Segundo relatou ao jornal Tiempo Argentino a líder das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, Macri se recusou a receber a organização por meio de uma carta, na qual alegou não ter tempo para “atividades múltiplas” e delegou o encontro ao seu chefe de Gabinete. 

    A recusa gerou preocupação e críticas, dado ser a primeira vez em 30 anos de democracia que um presidente se recusa a receber os representantes da luta pelos direitos humanos, segundo ressaltou o jornal argentino.

    "Estamos vivendo momentos muito duros, perturbadores, vemos muitos comportamentos agressivos que vão se incorporando ao cotidiano. Tudo está nos deixando um gosto de um terrível autoritarismo que despreza o povo", advertiu Carlotto.

    Mais:

    Prisão da líder indígena Milagro Sala eleva tensões contra Macri na Argentina
    Nicolás Maduro vai convocar a OPEP para enfrentar “manobras dos Estados Unidos”
    Argentina se realinha com Brasil em relação à Venezuela
    Tags:
    Equador, Argentina, Suíça, Venezuela, Quito, América Latina, Mauricio Macri, Nicolas Maduro, Estela de Carlotto, Fórum Econômico Mundial, CELAC, Avós da Praça de Maio, Cúpula da CELAC, ausência, direitos humanos, críticas, autoritarismo, diálogo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar