11:14 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Curdos sírios em Kobane

    Rússia pede que Turquia pare a política de extermínio dos curdos

    © AFP 2017/ YASIN AKGUL
    Mundo
    URL curta
    8 0 131

    A Rússia pediu nesta quinta-feira (21) que a Turquia acabe com a política de extermínio dos curdos. A delcaração é da representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova.

    "Nós não podemos deixar de apoiar os apelos às autoridades turcas para cessar o extermínio da população local e do política deliberada de deslocamento dos curdos, o cancelamento do toque de recolher, encontrando e punindo os responsáveis por violações da população civil, garantindo o acesso de observadores locais e estrangeiros", disse a represante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

    Anteriormente, mais de 1.000 acadêmicos turcos assinaram uma petição pedindo que as autoridades do país "parem a matança" no Sudeste e sentem-se à mesa de negociações para uma solução pacífica em relação ao problema curdo.

    Após mais de dois anos de cessar-fogo, as hostilidades entre as forças militares e policiais turcas e do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) foram retomadas no verão passado, comprometendo as conversações de paz iniciadas em 2012 para pôr fim a um conflito que desde 1984 já deixou mais de 40 mil mortos.

    As autoridades turcas acreditam que o Partido de União Democrática (PYD) é afiliado do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado oficialmente como uma organização terrorista na Turquia, apesar dos curdos sírios estarem envolvidos em batalhas severas com o Daesh (Estado Islâmico).

    Mais:

    Turquia executou 600 membros do PKK desde dezembro de 2015
    Síria denuncia Turquia na ONU por violação de fronteira
    EUA fecham os olhos a atrocidades da Turquia contra curdos
    Turquia prende acadêmicos que assinaram um manifesto de paz em apoio aos curdos
    Tags:
    política, PKK, Curdistão sírio, Rússia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik