02:37 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados do Exército de Libertação Popular da China marcham em Hong Kong nas comemorações do aniversário da passagem do território do Reino Unido à China em 1997, 30 de junho de 2015

    China cria ramo das Forças Armadas sem análogos no mundo

    © AFP 2017/ ISAAC LAWRENCE
    Mundo
    URL curta
    529941552

    No âmbito da reforma militar de grande envergadura que está realizando, a China decidiu criar um novo ramo das Forças Armadas.

    Segundo as informações divulgadas recentemente, as Tropas de Apoio Estratégico são um novo ramo das Forças Armadas sem análogos no mundo.

    O especialista militar russo Vasily Kashin deu a sua avaliação às funções que as Tropas do Apoio Estratégico poderão vir a ter.

    Esta estrutura única terá todas as capacidades do Exército de Libertação Popular ligadas aos aspectos informacionais e operações especiais. Além do reconhecimento técnico, inteligência cibernética, combate radioeletrônico e ciberataques, as novas tropas são responsáveis pela inteligência militar em geral e mesmo luta psicológica. Assim, afirmou Kashin, parece que as novas tropas incluem a segunda, terceira e quarta antigas direções do Estado-Maior bem como a Direção de Laços Externos da Direção Política Principal, serviço responsável pelas operações propagandistas contra as tropas e a população civil do inimigo.

    Na opinião do especialista, por um lado, tais tropas são únicas e o fato de que incluem tudo que diz respeito à inteligência e confrontação na área de informação faz muito sentido. Por outro lado, tal estrutura das tropas apresenta algumas dificuldades. O problema é que os órgãos centralizados na mesma estrutura são muito diversos, têm diferentes métodos de trabalho. É possível que no futuro tal estrutura leve à competição entre diferentes serviços.

    Kashin afirmou que o assunto mais interessante é sobre as informações militares recolhidas para as Tropas de Apoio Estratégico. Todos os serviços que agora farão parte da nova estrutura tiveram os seus departamentos separados para recolher e processar as informações para a liderança militar do país. Surge a questão de saber se será criada uma nova estrutura analítica e de informações que concentrará as informações provenientes de todas as fontes. Tal estrutura teria uma importância colossal.

    O fato de que a nova estrutura será responsável pelas operações especiais significa que o Exército de Libertação Popular terá uma oportunidade de realizar operações especiais em escala global porque terá serviços de inteligência espacial, radioeletrônica e especial. Tal nível de integração e centralização não foi até agora atingido em nenhum país, incluindo os EUA.

    Entretanto, realizar uma reforma de tal envergadura não é tarefa fácil. As autoridades chinesas terão de levar a cabo muitos esforços para atingir o objetivo pretendido.

    Tags:
    reforma, militares, forças armadas, tropas, inteligência, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik