21:51 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras da China e dos EUA

    China reage à venda de armas dos EUA para Taiwan e vai impor sanções a empresas envolvidas

    © AP Photo / Andy Wong
    Mundo
    URL curta
    31127

    O vice-ministro das Relações Exteriores chinês, Zheng Zeguang, afirmou nesta quinta-feira (17) que Pequim fez uma representação oficial aos EUA contra a venda de armas norte-americanas para Taiwan. A China disse se opor firmemente ao negócio uma vez que é contrário ao direito internacional e prejudica gravemente a soberania e a segurança chinesas.

    Pequim defende que Taiwan é “parte inalienável de seu território” e que ninguém pode abalar a vontade do governo e do povo chinês de defender os seus direitos e de se opor à interferência estrangeira.

    “Para salvaguardar os nossos interesses nacionais, a China decidiu tomar as medidas necessárias, incluindo a imposição de sanções contra as empresas envolvidas na venda de armas”, afirmou o vice-chanceler chinês.

    A China também exortou os EUA, após chamar a encarregada de Negócios Estrangeiros da embaixada norte-americana em Pequim, Kaye Lee, quando fez a representação oficial, a desistir da venda de armas a Taiwan e a parar os contatos militares com a ilha considerada rebelde pelo governo chinês.

    Na quarta-feira (16), o Departamento de Estado norte-americano enviou ao Congresso do país um acordo de US$ 1,8 bilhão de venda de armamentos para Taiwan. Entre os itens listados no contrato, estão fragatas, mísseis e veículos anfíbios.

    Tags:
    interferência estrangeira, oposição, rebelde, contratos, empresas, sanções, segurança, soberania, mísseis, fragatas, negócio, venda, armas, Congresso dos EUA, Departamento de Estado, Kaye Lee, Zheng Zeguang, EUA, Taiwan, Pequim, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar