03:03 20 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    723
    Nos siga no

    A criação da coalizão de países muçulmanos liderada pela Arábia Saudita para combater o terrorismo vai ajudar a mudar a imagem do Islã como uma religião que alimenta o terrorismo. Quem afirma é o analista político, Mady Abdullah Al-Khamis, editor-chefe do jornal independente publicado no Kuwait "Al-Kuwait".

    "É uma boa idéia a maioria dos países islâmicos terem se unido com o objetivo comum de lutar contra o terrorismo, porque não queremos que o islã seja associado ao terrorismo, quando são os países muçulmanos  que mais sofrem com ele", disse al-Khamis.

    Ele acredita que é muito cedo para dizer contra quem especificamente e como serão implementadas as novas operações da coalizão antiterrorista.

    "É claro que a coalizão vai se opor ao terrorismo militar, política, ideologicamente, através da informação, das práticas sociais, mas até agora os seus planos e estratégias ainda estão sendo desenvolvidos", afirmou o analista.

    Falando sobre o possível papel do Kuwait na nova associação islâmica, Khamis afirmou que o Kuwait apoiou oficialmente a criação da coalizão antiterrorista, mas ainda indicou uma explicação sobre como exatamente será este apoio.

    Mais:

    Coalizão executa 14 ataques aéreos contra o Daesh na Síria e no Iraque
    Coalizão islâmica fará luta ideológica contra o terrorismo
    Egito e Turquia entraram na coalizão antiterrorista organizada por Arábia Saudita
    Ataques da coalizão internacional contra forças do governo sírio podem repetir-se
    Em Moscou, Kerry insistirá para que a Rússia se junte à coalizão contra o Daesh
    Três mortos e 30 feridos em recente ataque da coalizão americana ao exército sírio
    Tags:
    terrorismo, islã, coalizão internacional, coalizão, Daesh, Estado Islâmico, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar