22:34 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    5212
    Nos siga no

    A agência Bloomberg publicou uma lista de ‘cenários improváveis’ para a política internacional em 2016, mas cenários que podem acontecer de acordo com a atual evolução dos eventos. Uma das previsões citadas é o sucesso do presidente russo, Vladimir Putin, na crise síria.

    A agência observa que um possível acordo sobre um regime de transição na Síria, o que influenciaria diretamente a crise migratória na União Europeia, pode aproximar as posições entre União Europeia e a Rússia. Segundo o prognóstico, a chanceler Angela Merkel poderia ceder ao lobby empresarial do bloco europeu e concordar em cancelar as sanções contra a Rússia. 

    Tal cenário aceleraria o crescimento econômico, tanto na Rússia como na UE. A agência observa que tal resultado permitirá à Rússia aumentar a sua influência no Oriente Médio, assim como a Europa retornaria a ser o seu parceiro comercial chave. Além disso, um acordo como este reduziria a tensão da retórica em relação ao conflito na Ucrânia.

    A Bloomberg também cita entre os possíveis ‘cenários improváveis’ e ‘pessimistas’ a alta do preço do petróleo, que poderia ultrapassar o valor de 100 dólares o barril, caso o Daesh (Estado Islâmico) atingisse a infra-estrutura de países produtores de petróleo no Oriente Médio. 

    Uma possível eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA, um ataques de Israel ao Irã, aquecimento global, a saída da Grã-Bretanha da União Europeia, entre outros prognósticos, figuram na lista de ‘cenários pessimistas’ da agência Bloomberg. 

    Mais:

    Sputnik-Opinião mostra bom conhecimento das ações russas na Síria
    Norte-americanos, britânicos e alemães apoiam operações russas na Síria
    Tesouro roubado: Síria acusa Turquia de se recusar a devolver relíquias
    Operação na Síria aumenta interesse por armas russas
    Exército Livre da Síria disposto a conceder dados à Rússia para combater Daesh
    Tags:
    sanções, Bloomberg, Angela Merkel, Vladimir Putin, União Europeia, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar