06:38 01 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    231
    Nos siga no

    O Equador e a Suécia assinaram um acordo que autoriza o interrogatório de Julian Assange na embaixada equatoriana em Londres. O fundador do WikiLeaks permanece no local desde 2012 e deverá ser interrogado na próxima quinta-feira, 17.

    As negociações para um interrogatório na embaixada estavam em andamento desde o mês de junho de 2015.

    “O acordo, sem dúvida alguma, é um instrumento que fortalece relações bilaterais e facilita, por exemplo, o cumprimento das questões judiciais como o interrogatório do Sr. Assange, isolado na embaixada equatoriana na Inglaterra”, afirma o comunicado do Equador.

    A administração central do Ministério da Justiça da Suécia informou nesta segunda-feira (14) que o acordo de cooperação bilateral que permitirá o interrogatório de Assange está pronto, mas ainda não entrou em vigor. 

    “Em Quito, no Equador foram realizadas em 10 de dezembro as negociações finais sobre o acordo, e o Ministério da Justiça atualmente está preparando uma confirmação do acordo para a próxima sexta-feira (17). Em seguida, haverá uma troca de notas, após a qual o acordo entra em vigor”, explicou o Ministério da Justiça sueco. 

    O escritório da procuradoria sueca, por sua vez, declarou que ainda não tem informação oficial sobre o acordo bilateral entre a Suécia e Equador para a assistência jurídica, que permitirá o interrogatório de Julian Assange. 

    "Ainda não temos qualquer informação oficial relacionada com o acordo. Foi relatado na mídia que o acordo ainda não foi assinado. Assim, a situação continua a mesma para nós", disse o serviço de imprensa da procuradoria. 

    Em 2006 Assange fundou o site WikiLeaks, que publica materiais segredos expondo a corrupção e crimes. Inicialmente, o alvo do site era descobrir e tornar públicos os casos de corrupção na Ásia Central, na China e na Rússia, mas o WikiLeaks também publicava muitas matérias sobre crimes do governo e empresas ocidentais. Assange foi o líder do grupo de nove coordenadores do site, mas ele não se considerava “fundador”, mas só “editor-chefe”.

    O WikiLeaks publicou aproximadamente 600 mil documentos do Departamento de Estado norte-americano e das Forças Armadas dos EUA que revelavam como o país agiu nas guerras do Iraque, do Afeganistão e em questões diplomáticas. Os documentos também revelam a extensão da cooperação da NSA e da GCHQ (Government Communications Headquarters, serviço secreto inglês) na espionagem contra outros países aliados.

    Foi relatado que o governo britânico gastou cerca de 14 milhões de dólares em três anos para garantir que o fundador do WikiLeaks não tente escapar da embaixada do Equador.


    Mais:

    Wikileaks: Erdogan é que planejou o abate do Su-24 russo
    WikiLeaks pede investigação sobre apoio financeiro e militar ao Estado Islâmico
    Asterix e WikiLeaks: Julian Assange inspira cartunistas
    Tortura e sugestões à Casa Branca: WikiLeaks publica e-mails do chefe da CIA
    Wikileaks adverte: TPP põe milhões de vidas em risco
    Tags:
    interrogatório, cooperação bilateral, acordo, WikiLeaks, Julian Assange, Londres, Suécia, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar