07:14 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA

    EUA vão considerar parceria anti-EI apenas se a Rússia deixar de apoiar Assad

    © AP Photo/ Susan Walsh, File
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    45346

    Os Estados Unidos estão dispostos a avaliar com a Rússia uma coalizão contra o Estado Islâmico, mas só se Moscou mudar sua postura quanto à situação na Síria e deixar de apoiar o presidente atual, Bashar Assad, declarou o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby.

    “Se a Rússia tem intenção firme de combater o Estado Islâmico e mudar de postura em relação às ações militares na Síria, perfeito, então estaremos dispostos a debater sua participação na coalizão”, disse Kirby.

    Os Estados Unidos, atualmente, lideram uma coalizão de países que vêm realizando ataques aéreos contra posições do Estado Islâmico no Iraque e na Síria desde 2014. Na Síria, entretanto, o s bombardeios não têm aval do Conselho de Segurança da ONU.

    “Mas se você apoia Assad e lhe dá ajuda, isso não corresponde aos objetivos principais da coalizão, que são o fim do Estado Islâmico”, completou o porta-voz.

    Moscou já declarou seguidas vezes que apenas o povo sérvio pode decidir o futuro de Assad. 

    Desde o dia 30 de setembro, a aviação russa vem realizando ataques aéreos contra posições do Estado Islâmico a pedido de Assad.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    Extremistas do Estado Islâmico compram armas na Ucrânia
    Hollande manda França aumentar intensidade de ataques contra Estado Islâmico
    Kuwait desarticula célula suspeita de financiar o Estado Islâmico
    Pentágono: EUA prontos para nova tática contra o Estado Islâmico
    Tags:
    terrorismo, ataques aéreos, parceria, coalizão, Departamento de Estado dos EUA, Estado Islâmico, Bashar Assad, John Kirby, Síria, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik