Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Hollande apressa Obama para intensificar luta contra Estado Islâmico

© AP Photo / Carolyn KasterPresidente francês François Hollande e presidente dos EUA Barack Obama durante a cúpula G7. 8 de junho, 2015
Presidente francês François Hollande e presidente dos EUA Barack Obama durante a cúpula G7. 8 de junho, 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga no
O presidente da França, François Hollande, tentará impressionar o seu colega norte-americano dizendo que o mundo não pode esperar dois anos de guerra de desgaste tendo em conta atentados em Paris, segundo divulgou o diplomata europeu.

Presidente da República Sérvia (uma entidade no território da Bósnia e Herzegovina) Milorad Dodik - Sputnik Brasil
Presidente da República Sérvia: ‘Sem Putin na Síria não será possível fazer nada’
Segundo informações que circulam na mídia, o presidente francês pretende apelar a Barack Obama para aumentar os esforços da luta contra o EI no âmbito da reunião em Washington prevista para semana que vem, alegando violência aumentada na Europa.

Por um tempo os oficiais franceses agiam com cautela, sem criticar abertamente a estratégia dos EUA na Síria e no Iraque, mas agora, tendo em conta os acontecimentos recentes em Paris e a crise migratória ainda não resolvida, é hora de agir, declarou nesta quarta-feira um diplomata europeu, citado pelo jornal britânico The Guardian.

“A mensagem que queremos enviar aos americanos é simplesmente que a crise está desestabilizando a Europa”, disse um diplomata que pediu o anonimato.

“O problema é que os ataques em Paris e a crise migratória mostram que não temos tempo. É uma emergência,” disse diplomata.

Barack Obama, presidente dos Estados Unidos (EUA) - Sputnik Brasil
Mídia: estratégia de Obama contra Estado Islâmico mais parece um plano de derrota
Atualmente a situação está desenvolvendo de modo em que os interesses de aliados mais próximos dos EUA, europeus, estão em causa. Vários infiltrados creiam que os EUA não agiram demasiado lentamente em admitir os efeitos do fluxo de refugiados provocado pelos acontecimentos na Síria. Segundo o artigo do jornal britânico, a razão para isso em parte é o fato que os EUA ficam bastante fora e estão menos vulneráveis aos efeitos e à situação em geral.

“É a razão pela qual o presidente francês estará em Washington na terça-feira antes de partir para Moscou para se reunir com o presidente Putin,” divulgou o diplomata citado pela publicação.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала