10:08 15 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da República Sérvia (uma entidade no território da Bósnia e Herzegovina) Milorad Dodik

    Presidente da República Sérvia: ‘Sem Putin na Síria não será possível fazer nada’

    © Sputnik / Konstantin Chalabov
    Mundo
    URL curta
    4191
    Nos siga no

    Em entrevista exclusiva à Sputnik o presidente da República Sérvia (uma entidade no território da Bósnia e Herzegovina) Milorad Dodik explicou sua posição em relação à luta contra Estado Islâmico, crise migratória além das relações com a União Europa.

    O tema mais agudo da agenda internacional, especialmente depois dos atentados das últimas semanas – a queda do avião russo A321 no Sinai e a série de atentados em Paris – é claramente a luta contra o terrorismo, especialmente com o grupo jihadista Estado Islâmico.

    “Se a Rússia não começasse a destruição do Estado Islâmico é óbvio que isso duraria por dezenas de anos. Como vimos durante a cúpula de G20 os críticos principais da Rússia, por exemplo, [o primeiro-ministro do Reino Unido David] Cameron declaram que sem Putin na Síria não será possível fazer nada. E nós já sabíamos disso”, disse Dodik.

    Segundo o líder da República Sérvia, os “países que organizaram várias revoluções e guerras agora sofrem do efeito bumerangue”:

    “Tenho pena das vítimas inocentes, que nada têm a ver com essa política grande”.

    O político sérvio também explicou à Sputnik por que já não tem certeza em que a União Europeia seja uma escolha sábia para a República Sérvia. Segundo ele, “no caminho da Bósnia e Herzegovina à União Europeia não houve sequer uma reforma que não subentendesse que a República Sérvia devia recusar-se aos seus poderes”.

    “Eu gostaria ver que a República Sérvia ao contrário fortaleceria a sua autonomia. A Europa de regiões e fronteiras abertas é a mentira”, disse.

    É necessário lembrar-se do fato que a Europa atualmente vive a grave crise migratória, ligada com o maior afluxo de refugiados desde os tempos da Segunda Guerra Mundial, provocada pela politica de portas abertas para refugiados sírios que fogem a situação ainda mais grave no seu país.

    O político opinou que é necessário tratar do problema de migrantes com cuidado.

    “Parece com aquela situação quando exigiam de nós mostrar solidariedade e introduzir sanções contra a Rússia por causa da crise na Ucrânia. Nós negamos, porque não achamos que tudo o que vai da Europa a priori deve ser recebido como o melhor. No final das contas a Europa já não parece tão atraente como uns anos atrás”, frisou Dodik.

    Enquanto isso, na Bósnia e Herzegovina existem três nações – croatas, bosníacos e sérvios. Os últimos estão contra a aliança com OTAN ou UE e outros apoiam a adesão à União Europeia e a aliança militar. Mas na entrevista à Sputnik Dodik sublinhou especialmente que a decisão final não pode ser tomada sem os cidadãos da República Sérvia, na sua maioria – sérvios.

    “Eu não diria que a adesão à UE é completamente excluída. Mas a Europa, a tão ponto não pronta para resolver problemas, atrai menos. Eu e europeus digamos assim. A questão grande é como se tornaria a Europa no futuro”, ressaltou o político.

    Mais:

    Mídia: ex-‘amigos’ tentam tirar poder a Merkel
    Tags:
    terrorismo, entrevista, Estado Islâmico, Milorad Dodik, Rússia, União Europeia, República Sérvia, Balcãs
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar