00:14 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Bomba nuclear B61

    Pentágono usa 'ameaça russa' como desculpa para gastos exorbitantes

    © flickr.com/ Dave Bezaire & Susi Havens-Bezaire
    Mundo
    URL curta
    1736301514

    Segundo o jornalista americano Jason Ditz, o Departamento de Defesa dos EUA está desesperadamente tentando justificar seus altos gastos com a modernização de armas nucleares.

    Em seu último discurso em um fórum de Defesa na Califórnia, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, ressaltou que o Pentágono está atualizando e melhorando os planos operacionais e modernizando o arsenal nuclear do país para "conter a agressão russa".

    Segundo Jason Ditz, editor do site Antiwar.com, o motivo para a declaração de Carter é óbvio e não tem relação alguma com uma ameaça imaginária da Rússia.

    Desde 2010, o governo Obama vem avançando com um plano de "reconstruir e sustentar o antigo arsenal nuclear dos Estados Unidos." Em texto publicado também em 2010, Ditz já pedia atenção para o fato de o Presidente Obama buscar US$ 80 bilhões para custear armas nucleares, apesar de seu discurso de querer um desarmamento nuclear total.

    "Longe de uma reação à situação na Ucrânia, o governo Obama vinha empurrando esta manobra e seu crescente preço desde o começo de 2010. Muitos anos antes da (crise na) Ucrânia e durante o período que marcou as melhores relações entre EUA e Rússia em muito tempo", escreve o jornalista americano em seu mais recente artigo. 

    Não seria nada fácil justificar gastos tão altos em um período pós-Guerra Fria e sem ameaças iminentes. As estimativas dos gastos da modernização nuclear americana estão na casa dos US$ 348 bilhões, segundo Ditz. O jornalista aponta também que muitas ONGs de seu país estimam que us custos ultrapassarão meio trilhão de dólares.

    Por causa disso, para aprovar o negócio, Washington precisa, antes de mais nada, identificar uma "ameaça" séria para poder justificar um preço tão alto. 

    Após o golpe de estado ucraniano (apoiado pelos EUA), a Rússia foi declarada "ameaça substancial" pelos EUA e pela OTAN. Ambos iniciaram imediatamente um programa com o objetivo de fortalecer a presença militar americana na Europa e modernizar em grande escala os arsenais da OTAN.

    "A Rússia subitamente tornar-se uma desculpa reflete o desespero do Pentágono para evitar um debate sério sobre quebrar financeiramente outra geração com gastos em armas nucleares avançadas décadas depois do término da Guerra Fria", diz Ditz.

    "Com a Rússia no papel de desculpa pronta para a escalada de tensões em algum lugar, provavelmente não haverá muitos questionamentos no Congresso", concluiu o jornalista americano.

    Mais:

    Pentágono pode enviar mais tropas à Síria
    Pentágono: Pequim deve suspender militarização e desistir do Mar da China Meridional
    Pentágono começa a treinar forças ucranianas
    Pentágono: Rússia e EUA têm objetivos diferentes na Síria
    Tags:
    armas nucleares, modernização, Guerra Fria, ameaça russa, Antiwar.com, Pentágono, Barack Obama, Jason Ditz, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik