21:15 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    4121
    Nos siga no

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante a sua participação do fórum de discussão do clube ‘Valdai’, declarou que o único objetivo da operação da Rússia na Síria é contribuir para a paz.

    Putin reforçou novamente que a operação da Rússia na Síria é completamente legítima. 

    “Após o pedido das autoridades oficiais da Síria sobre o apoio, nós tomamos a decisão de iniciar a operação militar neste país. Mais uma vez eu destaco: ela (a operação) é completamente legítima. Seu único propósito é contribuir para a paz”, disse o presidente russo. 

    Vladimir Putin expressou a esperança de que as ações da Força Aérea da Rússia possam ajudar as autoridades oficiais a “criar condições para ações no âmbito de uma resolução política”.  

    Ao comentar sobre a disseminação do Estado Islâmico na região, Putin propôs imaginar um cenário em que o grupo terrorista conquistasse Damasco e Bagdá. Neste caso, segundo o Presidente russo, o Estado Islâmico podia proclamar-se um verdadeiro Estado e podia começar uma expansão mundial.

    Com isso, Putin apelou à comunidade internacional para coordenar as suas ações em zonas de conflito com as pessoas que vivem lá. Além disso, segundo o líder russo, é preciso as partes se identifiquem como aliados na luta contra terrorismo. “Entretanto há progresso: estabelecem-se contatos internacionais no nível de departamentos militares”, disse o presidente russo. 

     

     

    Mais:

    Principais forças terroristas na Síria perdem combatividade em resultado de ataques russos
    Síria avisa: possível invasão do Qatar terá resposta
    Curdos sírios destacam eficácia da operação aérea russa na Síria
    Rússia admite acesso de jornalistas estrangeiros à sua base na Síria
    Rússia diz que grupos terroristas na Síria continuam recebendo apoio estrangeiro
    Tags:
    operação, Força Aérea da Rússia, Estado Islâmico, Vladimir Putin, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar