22:44 17 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Guarda Nacional da Venezuela na fronteira com a Colômbia

    Brasil vai ajudar no diálogo entre Colômbia e Venezuela

    © REUTERS / Carlos Eduardo Ramirez
    Mundo
    URL curta
    2173
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, viajou na noite desta quinta-feira (3) para a Colômbia. Brasil pretende ajudar no diálogo entre Bogotá e Caracas. No dia 20 de agosto, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fechou a fronteira com a Colômbia, depois que um civil e três militares venezuelanos foram feridos em uma emboscada.

    Nos dias que se seguiram, mais de mil colombianos foram repatriados e 4.260 abandonaram a Venezuela.

    A iniciativa de enviar o chanceler brasileiro à Colômbia foi da presidenta Dilma Rousseff. O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Héctor Timerman, acompanha Vieira no diálogo com os países vizinhos. De acordo com o Itamaraty, o objetivo da missão é “oferecer os bons ofícios para ajudar na comunicação entre as partes”. Vieira e Timerman já se encontraram com a ministra de Relações Exteriores da Colômbia, María Angela Holguín, e seguem ainda hoje para Caracas, capital venezuelana.

    De acordo com o Ministério de Relações Exteriores da Argentina, Vieira entregou à ministra colombiana uma carta de Dilma, endereçada ao presidente Juan Manuel Santos. “Os ministros Vieira e Timerman buscam promover e aprofundar o diálogo entre as partes dada a importância da unidade da região e da solução pacífica e negociada das diferenças”, diz comunicado divulgado pelo ministério argentino em seu site oficial.

    Os militares venezuelanos foram baleados enquanto patrulhavam a fronteira do estado de Tachira, na tentativa de evitar o contrabando de gasolina e alimentos subsidiados para a Colômbia, onde são vendidos a preços mais altos. Maduro atribuiu o ataque às “máfias paramilitares colombianas” e, além de fechar a fronteira, decretou estado de exceção constitucional em seis municípios e enviou 1,5 mil soldados à região para “restabelecer a ordem, a paz e a convivência”.

    O presidente colombiano reafirmou a disposição de “colaborar e coordenar ações contra o contrabando e o crime organizado”, mas disse que o diálogo é a melhor forma de solucionar o problema, informou Agência Brasil.

    Mais:

    Unasul está disposta a intermediar conflito de fronteira entre Venezuela e Colômbia
    Nicolás Maduro: Venezuela é vítima do modelo paramilitar da direita colombiana
    Venezuela fecha fronteira com Colômbia por ataque paramilitar
    Tags:
    política internacional, relações exteriores, fronteira, Itamaraty, Dilma Rousseff, Juan Manuel Santos, Nicolás Maduro, María Angela Holguín, Héctor Timerman, Mauro Vieira, Táchira, América do Sul, Bogotá, Caracas, Venezuela, Colômbia, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar