20:39 25 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko examina a construção de fortificações na região de Donetsk, em 11 de junho de 2015

    Presidente ucraniano revela objetivo real dos acordos de Minsk

    © AP Photo/ Irina Gorbaseva
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    46534

    A Ucrânia usou os acordos de Minsk para aumentar a sua capacidade de defesa, disse o presidente Pyotr Poroshenko.

    Segundo a edição Ukrainskaya Pravda, Pyotr Poroshenko afirmou que os acordos de Minsk deram à Ucrânia a possibilidade de reduzir a diferença entre os níveis de equipamento técnico da Rússia e da Ucrânia. De acordo com ele, agora os ucranianos estão melhor preparados para a defesa e proteção do seu país.

    Após as conversações de Minsk, as partes em conflito acordaram em retirar todos os armamentos pesados para distâncias iguais, com o objetivo de criar uma zona de segurança de distância mínima de 50 km entre as partes, para sistemas de artilharia de calibre 100 mm e superiores; de uma zona de segurança de distância mínima de 70 km entre as partes para sistemas de lançamento múltiplo de foguetes e de distância mínima de 140 km para sistemas de lançamento múltiplo de foguetes Tornado-S, Uragan, Smerch e para sistemas táticos de foguetes Tochka (Tochka-U). 

    Apesar disso, ambos os lados do conflito relatam constantes violações da trégua.

    “Os acordos de Minsk, mesmo que alguém os critique, nos deram a vantagem e o tempo para fortalecer a capacidade de defesa e permitiram ultrapassar parcialmente o evidente afastamento técnico-militar em relação à Rússia”.

    Segundo Poroshenko, desde 2000 uma das prioridades russas tem sido o fortalecimento das suas forças armadas e, durante todo este tempo, “eles investiram imensos montantes de dinheiro para se prepararem para a agressão contra a Ucrânia”. Mas a Ucrânia só começou a fortalecer o seu exército há um ano e, durante este período, aumentou capacidade combativa “em dezenas de vezes”.

    “O progresso é evidente, mas ainda está longe do meu sonho… Os tempos de pacifismo impensado e de negligência para com a defesa passaram irreversivelmente”.

    A Ucrânia e os países do Ocidente culpam a Rússia pela escalada da situação. Moscou, por sua vez, nega a sua participação no conflito ucraniano.

    Tema:
    Ucrânia em foco da política internacional (289)

    Mais:

    Acordos de Minsk ainda podem ser cumpridos apesar da escalada em Donbass
    Putin: assunto da Crimeia está encerrado
    Tags:
    tensão, Acordos de Minsk, Pyotr Poroshenko, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik