15:16 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    8121
    Nos siga no

    A recusa do acordo nuclear com o Irã pelos EUA pode levar ao enfraquecimento do dólar nos mercados internacionais, alertou nesta terça-feira (11) o secretário de Estado norte-americano John Kerry.

    Em 14 de julho, 2015, o Irã e seis potências mundiais, chegaram a um acordo nuclear abrangente para garantir a natureza pacífica do programa nuclear de Teerã em troca de alívio das sanções. As negociações vinham se estendendo desde novembro de 2013, quando foi firmado um acordo provisório.

    O texto final do documento proíbe o Irã de criar ou adquirir armas nucleares e destaca que o acordo final contribuirá de forma positiva para a segurança regional no Oriente Médio.

    "Se nós dermos as costas e anularmos o acordo, e em seguida dissermos [aos nossos parceiros] que de qualquer forma eles precisam cumprir as nossas regras e sanções, então, rapidamente, o dólar deixará de ser a moeda de reserva do mundo" – disse Kerry ao discursar em Nova York.

    O Congresso dos EUA tem até o dia 17 de setembro para votar um documento que permitirá a suspensão das sanções impostas ao Irã. Caso os parlamentares não aprovem o documento, o presidente Barack Obama ainda poderá vetar essa decisão, desde que ela não tenha o apoio de, pelo menos, dois terços dos deputados e senadores.

    Pesquisas de opinião mostram que para 27% da população norte-americana consultada, o parlamento deve aprovar o acordo, ao passo que 32% defendem que o mesmo seja rejeitado. No entanto, independente do resultado dessa votação, segundo a Monmouth University, a maioria dos entrevistados (61%) não acredita que o Irã cumprirá a sua parte no acordo.

    Mais:

    Mísseis dos EUA continuam na Europa apesar de acordo com Irã
    Barack Obama: A alternativa ao acordo nuclear com o Irã é a guerra
    Teerã: Irã não deixará os EUA se intrometerem em seus assuntos internos
    Tags:
    acordo nuclear, programa nuclear iraniano, sexteto, John Kerry, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar