00:41 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Equipes de resgate no local da queda do MH17 no leste da Ucrânia

    Opinião: Não há fatos que provem implicação da Rússia na queda do voo MH17

    © Sputnik/ Andrei Stenin
    Mundo
    URL curta
    7640171

    As acusações contra a Rússia pela queda do Boeing malaio no leste da Ucrânia são propaganda infundada, escreve o economista e periodista Paul Craig Roberts.

    Segundo o especialista em política norte-americana, caso aqueles que realizam a investigação já tivessem encontrado provas da implicação da Rússia na tragédia, já as teriam tornado públicas.

    No artigo publicado no seu site, Roberts sublinha que só a Rússia entregou todos os dados sobre a catástrofe aérea à investigação. Enquanto isso, Washington ainda não entregou os dados do satélite-espião que se encontrava por cima do local do acidente, e Kiev continua se recusando a publicar a conversa da tripulação com os controladores de tráfego aéreo, após a qual o avião mudou de rumo e sobrevoou a zona de combate.

    “Seja quem for  o responsável pela investigação da queda do voo malaio MH 17 –  os holandeses ou os europeus – ninguém é capaz de publicar o relatório. O que significa isto? A meu ver isto significa que os fatos não provam a propaganda que apresenta a Rússia como culpada.”

    Segundo o especialista, o lado holandês ainda tem integridade. Enquanto as autoridades dos EUA podem bloquear a publicação do relatório da investigação, elas não o podem falsificar.  E é por esta razão que Washington tenta fazer aprovar a iniciativa de criação de um tribunal internacional, esperando obter o resultado desejável.

    Em 17 de julho de 2014, o voo MH17 da Malaysia Airlines, que fazia a rota Amsterdã–Kuala Lumpur, caiu perto de Donetsk, matando todas as 298 pessoas a bordo.

    Mais:

    Rússia lamenta que criadores do tribunal sobre MH17 politizaram o assunto
    Rússia veta criação de tribunal especial para investigar tragédia do MH17
    Tags:
    investigação, vítimas, MH17, Boeing, EUA, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik