09:12 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    U.S. Secretary of State John Kerry meets with Russian Foreign Minister Sergey Lavrov at a hotel in Vienna Tuesday June 30, 2015.

    EUA pedem ajuda da Rússia no combate ao Estado Islâmico

    © AP Photo/ Carlos Barria
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    193559272

    O histórico acordo nuclear iraniano dá esperança de cooperação renovada no Oriente Médio e de um possível aquecimento nas relações entre Rússia e Estados Unidos. nas próximas semanas, o secretário de Estado americano, John Kerry, planeja discutir novas estratégias no combate ao grupo terrorista Estado Islâmico com o chanceler russo, Sergei Lavrov.

    O acordo nuclear alcançado entre o Irã e os países do P5+1 foi um acordo aplaudido no mundo inteiro. Alguns dias depois de finalizado, o presidente americano, Barack Obama, elogiou a participação da Rússia em entrevista ao jornal "The New York Times."

    Obama descreveu chamadas telefônicas iniciadas pelo presidente russo, Vladimir Putin, e disse que ficou "encorajado pelo fato de que o Sr. Putin me telefonou algumas semanas atrás e começou a conversa sobre a Síria. Isso nos dá uma oportunidade de ter uma conversa séria com eles."

    O grupo terrorista Estado Islâmico segue sua expansão no Iraque e na Síria e, por isso, a "conversa séria" de que Obama fala pode não demorar a acontecer.

    Em um evento em Nova York nesta sexta-feira, o secretário de Estado, John Kerry, disse esperar ter uma conversa com Lavrov no Catar, durante as próximas semanas. Após o sucesso das conversas sobre o programa nuclear iraniano, os dois vão discutir a melhor maneira de responder ao grupo terrorista.

    "Temos que mudar a dinâmica na Síria", disse Kerry ao Conselho de Relações Exteriores, segundo a agência Reuters. "E isso é parte do porquê de estarmos negociando com a Turquia nas últimas semanas e agora temos algumas mudanças no que os turcos estão preparados a fazer. Há também uma mudança no que estamos engajados a fazer", disse Kerry.

    Enquanto Rússia e Estados Unidos não vêm concordando na melhor postura a adotar na questão síria, as duas nações esperam uma aliança regional entre governos para responder à ameaça comum que é o Estado Islâmico.

    "Queremos trazer os sauditas, queremos trazer os turcos e, provavelmente, teremos que saber o que os iranianos estão preparados a fazer", explicou Kerry.

    Já houve progresso nas conversas com o governo turco. Na quinta-feira, Ancara anunciou uma grande mudança em sua política, autorizando a coalizão liderada pelos EUA a conduzir ataques aéreos partindo de solo turco e usando as instalações da Base Aérea Incirlik. Na manhã desta sexta, caças turcos atacaram alvos do Estado Islâmico pela primeira vez.

    A Rússia também vem buscando soluções. Na quarta-feira, o embaixador do país na Síria, Alexander Kinschak, falou à Sputnik sobre os esforços de Moscou para ajudar o governo sírio na sua luta contra militantes do EI.

    "Se não queremos terroristas na Síria, com todos os cenários subsequentes na região e especialmente levando em conta que as consequências vão extrapolar a região, significa que é necessário ajudar o governo sírio nesta guerra", afirmou.

    A Rússia também já pediu o envolvimento do Irã.

    "Podemos desenvolver uma cooperação antiterrorista com o Irã, antes de mais nada, na região do Oriente Médio", afirmou na segunda-feira Ilya Rogachev, diretor do departamento de desafios e ameaças do Ministério de Relações Exteriores da Rússia. "O Estado Islâmico pode e precisa ser objeto de nossa cooperação com o Irã."

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    Turquia volta a bombardear áreas controladas pelo Estado Islâmico na Síria
    Turquia busca apoio dos EUA para cortar fluxo de terroristas estrangeiros
    Chefe da Sputnik Turquia opina que EI se torna problema interno do país
    Turquia prende 21 supostos membros do Estado Islâmico em grande operação pelo país
    Tags:
    cooperação, terrorismo, Estado Islâmico, P5+1, Vladimir Putin, Barack Obama, Sergei Lavrov, John Kerry, Irã, Turquia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik