06:03 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Gregos disseram não às propostas dos credores para um novo pacote de ajuda financeira em troca de mais austeridade

    Governo grego enfrenta revolta interna contra medidas de austeridade

    © REUTERS/ Jean-Paul Pelissier
    Mundo
    URL curta
    453128

    O governo de esquerda da Grécia prosseguiu nesta terça-feira no esforço para aprovar mais medidas de austeridade no Parlamento, como exigido pelos credores do país.

    As medidas, que incluem impostos mais altos, foram impostas pelos líderes da zona do euro para impedir que a economia grega entrasse em colapso, como parte de um terceiro pacote de ajuda ao país, de 85 bilhões de euros (US$ 93 bilhões).

    Sindicatos e associações convocaram greves para coincidir com a votação da quarta-feira no Parlamento. Os mais à esquerda no partido governista Syriza, do primeiro-ministro Alexis Tsipras, estão abertamente revoltados.

    O ministro da Energia, Panagiotis Lafazanis, disse que a Alemanha e seus aliados são como "assassinos financeiros", ao forçar Atenas a aceitar um acordo, pedindo que Tsipras o rejeite. "O acordo é inaceitável", afirmou o ministro em comunicado. Segundo ele, as medidas podem passar no Parlamento, mas o povo nunca as aceitará e lutará contra elas.

    O ministro da Defesa, Panos Kammenos, também criticou duramente o novo acordo. "Houve um golpe. Um golpe no coração da Europa", afirmou Kammenos, que comanda o direitista Gregos Independentes, parceiro de coalizão do Syriza. "Eles querem que o governo caia e então substituí-lo por outro, não eleito pelo povo grego."

    O governo mantém 162 das 300 cadeiras do Parlamento. Mais de 30 parlamentares do Syriza já demonstraram publicamente discordar do acordo.

    fonte: Estadão Conteúdo


    Mais:

    Zona do euro alcança acordo sobre a Grécia
    Grécia confirma a intenção de permancer na zona do euro
    Comissão Europeia já teria elaborado plano para saída da Grécia da zona do euro
    Tags:
    ajuda financeira, dívida externa, Syriza, Panos Kammenos, Panagiotis Lafazanis, Alexis Tsipras, Alemanha, União Europeia, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik