11:14 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Agência britânica BBC

    Ex-chefe da BBC: Canal de TV pode se tornar extensão do governo britânico

    © flickr.com/ Elliott Brown
    Mundo
    URL curta
    1 0 08

    Sir Christopher Bland, antigo diretor do canal britânico BBC, declarou que as últimas propostas de financiamento do governo podem indicar uma relação especialmente estreita entre o canal e o governo.

    Sir Christopher Bland foi chefe da BBC de 1996 até 2001. Na rádio BBC Radio 4 ele afirmou que as relações entre a BBC e o governo poderão mudar. O antigo dirigente do canal britânico relaciona essa possibilidade com a proposta do primeiro secretário de Estado britânico, George Osborne, no sentido de o canal financiar as emissões de TV grátis para pessoas de mais de 75 anos de idade, financiamento que é geralmente feito através dos impostos.

    “Bastante subtilmente e de forma a atrair pouca atenção, a decisão leva a BBC mais perto de se tornar um braço do governo, o que é algo a que as partes sempre resistiram.”

    A proposta veio após a transferência para a BBC do financiamento de canais grátis de TV para pessoas idosas, o que custará £650 milhões – um quinto do orçamento da estação.

    Cabe mencionar que, na semana passada, o governo pediu que o canal mudasse o modo como tem coberto os acontecimentos ligados ao grupo terrorista Estado Islâmico.

    Chris Grayling, parlamentar britânico e chefe da Câmara dos Comuns, declarou que a BBC deveria chamar o grupo de ‘Daesh’ – o termo depreciativo em árabe e que o canal deveria apoiar a posição do Reino Unido nos conflitos internacionais.

    “Durante a Segunda Guerra Mundial a BBC foi o farol da verdade e não era esperado que fosse imparcial entre a Grã-Bretanha e a Alemanha”, disse.

    Às 19h00 de Londres (15h00 de Brasília) Sir Christopher Bland concederá uma entrevista ao canal televisivo russo RT. A Sputnik divulgará os pontos mais interessantes da entrevista.

    Tags:
    TV, governo, mídia, finanças, BBC, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik