07:08 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro de Portugal

    Premier de Portugal: Grécia recebeu mais do que qualquer outro país

    © AFP 2017/ PATRICIA DE MELO MOREIRA
    Mundo
    URL curta
    1365214

    O primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, do PSD (Partido Social Democrata), disse durante uma reunião de governo nesta quarta-feira que as condições dadas pela União Europeia à Grécia até agora foram únicas e que nenhum outro país do bloco recebeu tantos empréstimos.

    Acusado pela oposição de apoiar os credores internacionais para pressionar Atenas, o premier português garantiu que ninguém está chantageando a Grécia.

    "O que a Europa está a fazer à Grécia não foi feito a país nenhum. O que a Europa emprestou à Grécia não emprestou a ninguém. As dívidas que se acumularam nos bancos gregos eram dos gregos”, declarou ele, citado pela imprensa portuguesa. 

    Segundo Passos Coelho, quando o governo grego pediu um terceiro programa de ajuda externa nesta quarta-feira, todos os representantes da zona euro se mostraram dispostos a ajudar. Mas, claro, desde que algumas medidas sejam adotadas em contrapartida.

    "Em todas as nações europeias há democracias, fazem sacrifícios. E não sem condições. Isso não existe na Grécia nem em lado nenhum”, destacou.

    Após implementar, em 2011, um programa de austeridade sem precedentes, em troca de um empréstimo internacional de 78 bilhões de euros, Lisboa não vê com bons olhos a possibilidade de os mesmos credores oferecerem um tratamento preferencial a Atenas. Principalmente pelo fato de o empréstimo e as medidas a ele ligadas não terem produzido os resultados esperados em Portugal, deixando o país mais endividado e, de acordo com a oposição, com mais desemprego, mais injustiça e mais pobre. 

    Mais:

    Hollande: acordo sobre dívida da Grécia ainda é possível
    Comissão Europeia já teria elaborado plano para saída da Grécia da zona do euro
    Moscou recebe sinais de que Grécia quer juntar-se ao Banco BRICS
    Entre dois fogos: Portugal tentará pôr fim à austeridade mas não acabar como a Grécia
    Tags:
    ajuda financeira, economia, dívida, empréstimo, Pedro Passos Coelho, Europa, Atenas, Lisboa, Portugal, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik