00:49 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos no Afeganistão

    EUA planejam corte de 40 mil soldados para cortar gastos

    © AFP 2017/ Johannes EISELE
    Mundo
    URL curta
    0 599160

    O Exército dos EUA planeja cortar 40 mil soldados de suas fileiras ao longo dos próximos dois anos, em medida que virtualmente deve afetar todos os postos nacionais e estrangeiros do país, segundo informou o jornal USA Today.

    O diário citou um documento ao qual teve acesso, que entraria em vigor esta semana e segundo o qual os cortes estavam sendo feitos para economizar verbas.

    Pelo menos 17 mil civis que trabalham para o Exército norte-americano também serão demitidos, segundo disse um funcionário da Defesa à agência de notícias AFP, confirmando a reportagem do jornal.

    Sob o novo plano, o Exército dos EUA terá 450 mil soldados no final do ano orçamentário de 2017. Segundo o USA Today, em 2013 os militares norte-americanos argumentaram em documentos orçamentais que se o país ficasse com menos de 450 mil soldados, isso poderia significar a impossibilidade de os EUA vencerem uma guerra.

    Em comparação, o Exército chegou a ter 570 mil homens e mulheres durante o pico dos combates no Iraque e no Afeganistão, também de acordo com o jornal.

    A publicação relata ainda que cortes orçamentários generalizados do governo começarão a fazer efeito em outubro e que, se o Congresso não evitar a medida, o Exército norte-americano terá que demitir outros 30 mil soldados além dos 40 mil que já estão fadados a aposentar a farda.

    Mais:

    Especialista: EUA criam ameaça indireta ao Irã ao boicotarem sistemas S-300
    EUA admitem que treinaram apenas 60 sírios para lutar contra Estado Islâmico
    Jato da Força Aérea dos EUA colide com avião civil na Carolina do Sul
    EUA confessam que foram ultrapassados pela Rússia no Ártico
    Tags:
    soldados, orçamento, cortes, contingente militar, Defesa, Pentágono, Exército dos EUA, Iraque, Afeganistão, Estados Unidos, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik