00:03 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    2385
    Nos siga no

    Enquanto o Vietnã comemora os 40 anos da libertação do Sul e do fim da guerra, a televisão dos EUA transmite o documentário “Últimos dias no Vietnã”, dirigido por Rory Kennedy, indicado ao Oscar e vencedor do prestigioso prêmio Emmy.

    O filme conta a história de como nos últimos dias de a abril de 1975 os “nobres oficiais norte-americanos” resgatavam seus amigos e aliados em navios, aviões e helicópteros. Eles salvavam soldados e oficiais do Exército da República do Vietnã, derrotado de forma esmagadora pelo Exército de Libertação Popular do Vietnã do Sul – os comunistas vietnamitas, que a propaganda norte-americana e sul-vietnamita apresentava como “assassinos sanguinários, cruéis e impiedosos da população do Vietnã do Sul”.

    O filme, no entanto, segundo conta o historiador e veterano da Segunda Guerra de Libertação Vu Quang Hien, ignora completamente as razões da saída dos norte-americanos do Vietnã e cenário deixado pelo mesmos naquele país. Deixa de citar os quase 4 milhões de mortos – dos quais a metade era de população civil, os milhões de feridos e os 11 milhões de desabrigados. E tampouco mostra as florestas e os campos sul-vietnamitas transformados em desertos pelo uso do Agente Laranja, os rios envenenados e os vastos terrenos saturados de minas e bombas.

    Nas palavras de Vu Quang Hien, 640 mil hectares de terras vietnamitas continuam envenenadas pela dioxina produzida pelo Agente Laranja, 600 mil toneladas de bombas e minas continuam espalhados pelos campos e florestas do país. Passados 40 anos, as vítimas do Agente Laranja continuam dando à luz a crianças com deformidades, pessoas continuam explodindo em minas deixadas pelos norte-americanos, milhares de hectares de solo do Vietnã continuam inférteis.

    Docente da Universidade Estatal de Hanoi, Vu Quang Hien se voluntário nos anos estudantis para lutar pela libertação do Vietnã do Sul e pela reunificação do país. Ele lembra do espanto inicial com que os habitantes de vilarejos sul-vietnamitas recebiam os guerrilheiros.

    “Afinal, eles haviam sido programados para acreditar que estes eram impiedosos assassinos comunistas. Mas quando os camponeses viram os seus libertadores, a sua opinião logo mudou, e nós, jovens do Vietnã do Sul, éramos recebidos de braços abertos”.

    O povo vietnamita venceu os EUA – a mais poderosa potência econômica e militar do mundo – e reunificou o seu país. O regime sul-vietnamita pró-americano caiu, apesar do intenso apoiou dos EUA nos âmbitos político, econômico e militar. Segundo Vu Quang Hien, isso aconteceu graças ao espírito de resistência da maioria esmagadora da população do Vietnã, graças ao apoio da União Soviética e da China, graças ao amplo amparo internacional à luta do povo vietnamita. E nenhum acordo, nenhuma falsificação histórica por meios impressos, digitais ou cinematográficos conseguirá fazer com que esta verdade seja esquecida.

    Mais:

    Rússia e Vietnã acordam parceria no setor petrolífero
    Rússia e Vietnã podem passar a transações em moedas nacionais
    Vietnã torna-se 2ª maior exportador de café em 2014
    Tags:
    crime de guerra, Guerra do Vietnã, Vu Quang Hien, Vietnã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar