18:21 21 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Notas

    Rússia superou pior da crise econômica e começa a se estabilizar, diz ministro de finanças

    © Sputnik/ Vladimir Trefilov
    Mundo
    URL curta
    0 961301

    O ministro de finanças da Rússia, Anton Siluanov, afirmou nesta quinta-feira, 19, que o país já passou pela fase mais crítica da crise e a economia começa a se estabilizar.

    Ao participar de um fórum empresarial anual, o ministro disse que a Rússia deixou para trás um "pico de negatividade" e que sua economia começará a se recuperar assim que os investimentos voltarem a crescer. Segundo ele, para isso acontecer, a Rússia precisa controlar sua inflação, que atualmente está em torno de 16%. O ministro das Finanças expressou a opinião de que a inflação na Rússia em 2016 pode chegar a 6-7%.

    A presidente do Banco da Rússia, Elvira Nabiullina, por sua vez, havia declarado anteriormente que há uma expectativa de que a inflação comece a diminuir no segundo semestre de 2015.

    Siluanov também observou que a moeda nacional, o rublo, vem se reforçando desde o início do ano, se tornando "uma das moedas mais fortes".  Além disso, ele declarou que a situação nos mercados financeiros também está se estabilizando. 

    O ministro das finanças destacou ainda que a queda do PIB russo em 2015 deve ficar em torno de 3%. 

    Em dezembro do ano passado, a moeda nacional da Rússia (o rublo) sofreu sua maior queda desde a crise de 1998, atingindo níveis recordes em relação ao dólar e ao euro — 80 e 100 rublos, respectivamente. O Banco Central reagiu aumentando a taxa de juros básica anual de 10,5% para 17%. No final de janeiro, o Banco Central reduziu a taxa para 15%, observando que o aumento em dezembro ajudou a gerenciar as expectativas de inflação e desvalorização.

    Mais:

    BC russo: taxa de juros de 14% é muito alta
    BC da Rússia diz que questões econômicas são mais importantes que a inflação
    BC da Rússia reduz taxa básica de juros
    Tags:
    inflação, crise, finanças, economia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik