23:47 26 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Flores depositadas no local de assassinato de Boris Nemtsov

    Boris Nemtsov pode ter sido assassinado por encomenda estrangeira

    © Sputnik/ Ramil Sitdikov
    Mundo
    URL curta
    0 746111

    A investigação do assassinato de Boris Nemtsov, um dos principais representantes da oposição política russa, quase determinou a versão de prioridade deste crime, divulgou na sexta-feira (13) uma fonte familiarizada com a situação.

    "Até o momento, foram investigadas todas as versões possíveis, mas a investigação está inclinada a considerar a principal – o assassinato visa desestabilizar a situação no país e desacreditar o governo", disse a fonte da agência noticiosa russa Interfax.

    Segundo a fonte, muitos dados recolhidos pelo grupo de investigação indicam para esta versão:

    “Quero dizer que temos a prova direta e as provas circunstanciais. Já não há dúvida de que o assassinato foi feito por um personagem sob encomenda, e os clientes estão no exterior”.

    No fundo do rio Moskva, perto da ponte onde foi baleado o político Boris Nemtsov, foram encontradas duas pistolas. Segundo os testes balísticos, um deles definitivamente não é a arma do crime. Os resultados dos testes da outra arma ainda não foram recebidos, declarou uma fonte próxima da investigação à Interfax.

    Atualmente, de acordo com a fonte, juntamente com as buscas dos executores e organizadores do crime, estão sendo procuradas as pessoas que poderiam encomendá-los para assassinar o político da oposição russa. Ao mesmo tempo, a investigação não exclui que os executores poderiam desconhecer a personalidade de quem tinha ordenado o assassinato de Nemtsov.

    O vice-primeiro ministro do governo russo na época do presidente Boris Yeltsin, Nemtsov foi morto a tiros em uma ponte no centro de Moscou na noite de 27 de fevereiro, durante um passeio com a namorada Anna Duritskaya, uma modelo ucraniana de 23 anos.

    Tags:
    assassinato, investigação, Boris Nemtsov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik