09:53 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    11314
    Nos siga no

    Sem especificar o gênero alimentício, especula-se que seja peru para não faltar no Natal. O Reino Unido enfrenta onda de escassez alimentícia por conta do Brexit e da crise provocada pela pandemia.

    Na quinta-feira (23), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, com quem se encontrou esta semana em Nova York, EUA, pediu-lhe um acordo emergencial para fornecer produtos alimentícios à Grã-Bretanha para evitar o desabastecimento.

    "Ele [Johnson] quer um acordo emergencial conosco para importar algum tipo de alimento que falta na Inglaterra […]. Essa batata passei para a [ministra da Agricultura] Tereza Cristina", disse o chefe do Planalto na live que fez na quinta-feira (24).

    Todavia, nesta sexta-feira (24) um porta-voz do governo de Johnson contestou o relato de Bolsonaro, dizendo que não tinha recordação da conversa, mas sem dar mais detalhes, reporta a agência Reuters.

    Consumidor passa por prateleiras vazias no corredor de carnes de um supermercado em Manchester, Reino Unido, em 21 de setembro de 2021
    © REUTERS / PHIL NOBLE
    Consumidor passa por prateleiras vazias no corredor de carnes de um supermercado em Manchester, Reino Unido, em 21 de setembro de 2021
    O Reino Unido enfrenta uma onda de escassez alimentícia por conta do Brexit, a saída do bloco da União Europeia, e da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

    Além disso, um aumento no preço do gás natural forçou algumas fábricas de fertilizantes britânicas a fecharem nas últimas semanas, levando a uma escassez de CO2 usado para colocar a gás em cerveja e refrigerantes e atordoar aves e porcos antes do abate.

    Bolsonaro também afirmou que Johnson lhe pediu para ajudar a aumentar as importações brasileiras de uísque do Reino Unido, mas o presidente brasileiro acrescentou que isso dependia de negócios privados e não de seu governo.

    Mais:

    Proposta de redução no desperdício de alimentos de Guedes é retórica e será abandonada, diz analista
    Auxílio a Cuba: México deve enviar 2 navios com alimentos, remédios e oxigênio para ilha
    Fenômeno da insegurança alimentar no Brasil reflete desigualdade social e regional, afirma analista
    Inflação no Brasil: alta no preço de combustíveis e alimentos atinge recorde para agosto em 21 anos
    Tags:
    Reino Unido, Brasil, Bolsonaro, Jair Bolsonaro, governo bolsonaro, Tereza Cristina, Boris Johnson, Brexit, Brexit, alimentos, alimentos, alimentação, crise de alimentos, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar