12:53 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    132645
    Nos siga no

    Segundo Joe Biden, presidente dos EUA, as ações de sua presidência não estão viradas contra a Rússia como país.

    Joe Biden, presidente dos EUA, disse na quarta-feira (16) que as conversações em Genebra, Suíça, com Vladimir Putin foram "positivas", mas advertiu que Washington não toleraria interferência na democracia norte-americana.

    "O tom de toda a reunião [...] foi bom, positivo", disse Biden aos repórteres após a cúpula, salientando, no entanto, que "deixou claro que não toleraremos tentativas de violar nossa soberania democrática ou desestabilizar nossas eleições democráticas, e que responderíamos".

    Relações EUA-Rússia

    Biden referiu ter mencionado ao presidente russo que não tem nenhum problema em fazer negócios com a Rússia, e que quer ver a economia do país prosperar.

    "A propósito, nós falamos sobre comércio", disse.

    "Eu não tenho nenhum problema em fazer negócios com a Rússia desde que eles o façam com base em normas internacionais. É do nosso interesse ver o povo russo se sair bem economicamente, não tenho nenhum problema com isso."

    Biden afirmou que vê uma oportunidade genuína de melhorar significativamente a relação entre os EUA e a Rússia depois do encontro com o líder russo.

    "Não estou aqui dizendo [que] porque o presidente [Putin] e eu concordamos que faríamos estas coisas, que de repente vai funcionar. Eu não estou dizendo isso. O que estou dizendo é que acho que existe uma perspetiva genuína de melhorar significativamente a relação entre nossos dois países sem renunciarmos a uma única coisa solitária baseada em princípios e nossos valores", apontou ele.

    Segundo o presidente norte-americano, sua agenda não é dirigida contra a Rússia.

    "Eu disse ao presidente Putin que minha agenda não é contra a Rússia ou qualquer outro país. É a favor do povo norte-americano", disse Biden durante a coletiva de imprensa.

    "Não há nada que substitua o diálogo face a face entre os líderes, nada. O presidente Putin e eu assumimos a responsabilidade única de gerenciar a relação entre dois países poderosos e orgulhosos, que tem que ser estável e previsível", afirmou.

    O presidente do país norte-americano também falou a Putin sobre o que aconteceria se o blogueiro e opositor russo Aleksei Navalny morresse.

    "Deixei claro para ele que acredito que as consequências [da morte de Navalny] seriam devastadoras para a Rússia", declarou Biden.

    Colaboração russo-americana

    Joe Biden e Vladimir Putin reafirmaram na quarta-feira (16), em uma declaração conjunta após a cúpula, seu compromisso com o controle de armas e a redução de riscos militares.

    "A recente extensão do Tratado Novo START exemplifica nosso compromisso com o controle de armas nucleares. Hoje, reafirmamos o princípio de que uma guerra nuclear não pode ser vencida, e nunca deve ser combatida", indica o comunicado, publicado pela Casa Branca.

    Segundo a declaração, os EUA e a Rússia iniciarão um Diálogo de Estabilidade Estratégica bilateral integrado para lançar as bases para futuras medidas de controle de armas e redução de riscos.

    Biden e Putin "demonstraram que, mesmo em períodos de tensão, são capazes de progredir em nossos objetivos comuns de assegurar a previsibilidade na esfera estratégica, reduzindo o risco de conflitos armados e a ameaça de guerra nuclear".

    De acordo com o chefe do Executivo dos EUA, o presidente da Rússia tem esperança de que Washington possa manter a paz e a segurança no Afeganistão.

    "Ele [Putin] nos perguntou sobre o Afeganistão, ele disse que espera que sejamos capazes de manter alguma paz e segurança, e eu disse que isso tem muito a ver com você [Rússia]", disse Biden, acrescentando que Moscou se disponibilizou a ajudar em questões estratégicas de segurança relacionadas com o Afeganistão e o Irã.

    O presidente dos EUA referiu que ele e o presidente russo Vladimir Putin discutiram durante sua reunião em Genebra questões relativas à Síria, ao Irã e ao Ártico.

    Biden mencionou igualmente as preocupações dos EUA quanto a Belarus.

    "Comuniquei o compromisso resoluto dos Estados Unidos com a soberania e a integridade territorial da Ucrânia, concordamos em prosseguir com a diplomacia relacionada ao acordo de Minsk, e compartilhei nossa preocupação com a Belarus", relatou ele.

    Mais:

    Pompeo classifica de 'enorme fraqueza' recusa de Biden de realizar coletiva de imprensa com Putin
    Biden pediu conselhos à OTAN antes de reunião com Putin, diz funcionário do governo norte-americano
    Funcionário de Biden diz que EUA têm poucas expectativas para encontro com Putin
    Tags:
    Ártico, EUA, Belarus, Rússia, Joe Biden, Vladimir Putin, Síria, Irã, Ucrânia, Genebra, Suíça
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar