22:26 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    02010
    Nos siga no

    Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, confessou que dorme mal de noite por causa do incidente nas negociações em Ancara em 7 de abril, quando a presidente da Comissão Europeia foi deixada sem cadeira.

    "Lamento profundamente este incidente. Se fosse possível, eu teria regressado e consertado isso. Isso foi um incidente chocante", disse Michel em entrevista à revista Handelsblatt.

    "Eu não escondo que desde então durmo mal de noite, já que essas cenas se repetem sucessivamente em minha cabeça. Eu temia que se eu reagisse de alguma maneira, provocaria um incidente ainda pior", confessou o chefe do Conselho Europeu.

    A reunião entre o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, a chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, ocorreu em Ancara no dia 6 de abril. Entretanto, de acordo com as imagens de vídeo, na sala da reunião havia apenas duas cadeiras em frente às bandeiras turca e europeia.

    Michel e Erdogan sentaram-se nas cadeiras, enquanto von der Leyen olhava para os dois e expressava seu espanto com um "ehm" e um gesto de decepção. A chefe da Comissão Europeia, então, teve que se sentar em frente do chanceler turco, Mevlut Cavusoglu, que, de acordo com o protocolo diplomático, tem um posto inferior ao dela.

    O porta-voz da Comissão da União Europeia, Eric Mamer, falou sobre o incidente, anunciando que Ursula von der Leyen já instruiu sua equipe para tomar as medidas necessárias a fim de prevenir situações semelhantes em futuras visitas internacionais.

    Mais:

    UE pode bloquear exportações de vacinas para Reino Unido, sugere Ursula von der Leyen
    Líder do Conselho Europeu insta líderes da UE contra interferência na Bielorrússia
    Por telefone, presidente do Conselho Europeu pede a Putin que liberte Navalny
    Tags:
    Turquia, Conselho Europeu, Ancara, Ursula von der Leyen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar