08:40 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Mundo vs. COVID-19 no final de janeiro de 2021 (110)
    0 50
    Nos siga no

    Ao longo da Agenda Davos 2021, como tem sido chamado o Fórum Econômico Mundial neste ano, que acontece de forma on-line em função da pandemia de COVID-19, diversas grandes corporações defenderam a compra de imunizantes diretamente dos fabricantes para vacinar seus funcionários.

    A corrida mundial pelas vacinas contra a COVID-19 pode ganhar um novo personagem: as multinacionais. Neste ano, no Fórum Econômico Mundial, algumas corporações internacionais defenderam que o mundo deveria considerar a possibilidade dessas empresas comprarem imunizantes diretamente dos fabricantes para vacinar seus funcionários.

    O argumento principal por trás da ideia seria o de acelerar o processo e desonerar as contas públicas, escreve a Rádio França Internacional.

    Para o CEO do grupo Deustsche Post DHL, Frank Appel, as grandes empresas têm orçamento e estariam felizes de investir na vacinação de seus quadros. A companhia que atua em 220 países e tem 575 mil trabalhadores "poderia dar a sua contribuição, o que não chega a ser significativo no contexto global", enfatizou.

    ​No entanto, segundo ele, se as 500 maiores multinacionais puderem comprar vacinas com seu próprio dinheiro, "isso seria um passo significativo na direção correta".

    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça..
    © AP Photo / Markus Schreiber
    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em 2020 durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça
    "Isso deve ser considerado. Não agora, porque não devemos desviar o foco dos volumes que vão para os governos. Mas em algum momento em 2021, ou no ano que vem, quando haverá mais doses disponíveis", disse Appel.

    No Brasil, a iniciativa privada já procurou o governo para manifestar a intenção de comprar vacinas. O Planalto foi contatado por empresários que se oferecem para comprar 33 milhões de doses da vacina de Oxford-AstraZeneca, das quais metade seriam doadas para o SUS no âmbito do Programa Nacional de Imunizações.

    A ideia, que sofria resistência por parte da equipe do presidente Jair Bolsonaro até recentemente, agora conta com a sua simpatia. Segundo ele, a iniciativa "ajudaria em muito a economia".

    Tema:
    Mundo vs. COVID-19 no final de janeiro de 2021 (110)

    Mais:

    Chefe do Estado-Maior da Espanha se demite após 'saltar fila' de vacinação contra COVID-19
    Doria reúne Temer, FHC e Sarney em evento a favor da vacinação contra a COVID-19
    Reveladas diferenças entre anticorpos após infecção pela COVID-19 e após vacinação
    Vacinação em massa no Brasil: 'Nossa situação atual é de dependência', diz especialista
    Tags:
    vacinação, pandemia, Brasil, Fórum Econômico Mundial de Davos, Fórum Econômico de Davos, Fórum Davos, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar