08:06 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    6440
    Nos siga no

    Apesar da resolução do Parlamento Europeu da semana passada para que os governos da UE mantenham a posição de indicar Guaidó como chefe de Estado na Venezuela, uma declaração conjunta dos membros do bloco agora se refere ao político como parte da oposição democrática do país.

    A União Europeia confirmou, nesta segunda-feira (25), que já não considera Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, e sim parte da "oposição democrática".

    Em uma declaração conjunta, os 27 membros do bloco afirmaram que veem Guaidó como um "interlocutor privilegiado", apesar de uma recente resolução do Parlamento Europeu para que os governos da UE mantivessem a posição de indicá-lo como chefe de Estado.

    "A UE repete seus apelos pela liberdade e segurança de todos os oponentes políticos, em particular representantes dos partidos da oposição eleitos para a Assembleia Nacional de 2015 e, especialmente, Juan Guaidó", diz o comunicado, divulgado após uma reunião de ministros das Relações Exteriores da União Europeia em Bruxelas.

    Na semana passada, Guaidó agradeceu ao Parlamento Europeu por tê-lo reconhecido como presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, argumentando que as eleições parlamentares de 2020 foram fraudadas.

    União Europeia, entretanto, deixou de se referir a Guaidó como "presidente interino" da Venezuela depois que seu mandato de liderança na Assembleia Nacional expirou no início deste mês.

    O presidente Jair Bolsonaro se reúne com o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, para entrevista com os jornalistas após reunião no Palácio do Planalto, em Brasília.
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    O presidente Jair Bolsonaro se reúne com o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, para entrevista com os jornalistas após reunião no Palácio do Planalto, em Brasília.

    O bloco reconheceu Juan Guaidó como presidente da Venezuela em janeiro de 2019 após apelos de Washington para declará-lo chefe de estado.

    Embora o governo Trump tenha tentado sem sucesso pressionar a comunidade internacional para substituir Maduro, Joe Biden já havia dito que estaria disposto a "negociar" com Maduro para pôr fim à crise política e econômica em curso, acrescentando que não vai exigir a renúncia do presidente venezuelano como pré-condição para acabar com as sanções norte-americanas.

    Mais:

    Por telefone, presidente do Conselho Europeu pede a Putin que liberte Navalny
    Maduro pede a Biden que retifique 'demonização' que EUA têm feito da Venezuela
    Nicolás Maduro denuncia 'ataque terrorista' a gasoduto no leste da Venezuela
    Tags:
    União Europeia, Nicolás Maduro, Juan Guaidó, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar