06:02 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    151
    Nos siga no

    O presidente francês Emmanuel Macron afirmou neste domingo (27) que é contra aplicar sanções contra autoridades do Líbano por conta da explosão que atingiu o porto de Beirute. 

    No sábado (26), o primeiro-ministro do Líbano, Mustapha Adib, que assumiu o cargo há um mês após a explosão massiva no porto de Beirute, deixou a cadeira depois de não conseguir formar um novo governo.

    Um novo governo é uma das demandas da França para continuar a trabalhar com o Líbano para a recuperação do país. 

    "As forças políticas libanesas, seus líderes e os líderes das instituições libanesas escolheram não implementar de forma transparente e distinta os compromissos que assumiram perante a França e a comunidade internacional", disse Macron, acusando essas forças de "terem dado preferência aos seus interesses às custas dos interesses comuns da nação".

    Macron argumentou ainda que as sanções econômicas contra esses indivíduos, por exemplo, pelo congelamento de seus ativos estrangeiros, não teriam eficácia, "embora não possam ser descartadas no futuro."

    O presidente francês ainda destacou que pretende trabalhar com a Organização das Nações Unidas (ONU) e outros "parceiros internacionais" para ajudar o Líbano

    Mais:

    Arqueólogos descobrem pela 1ª vez no Líbano lagar de vinho fenício da Idade do Ferro (FOTOS)
    Chefe do Centro de Inteligência do Exército que estava em comissão no Líbano morre de COVID-19
    Presidente libanês diz que país 'irá para o inferno' se não formar um novo governo em breve
    EUA pressionam Líbano a fazer acordo desvantajoso com Israel, dizem especialistas
    Explosão sacode vila no sul do Líbano (VÍDEO)
    Tags:
    Líbano, França, Emmanuel Macron
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar