03:07 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    COVID-19 no mundo em meados de setembro (32)
    590
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (17), a farmacêutica AstraZeneca revelou detalhes da terceira fase de testes de sua vacina contra a COVID-19.

    A farmacêutica divulgou diversos dados sobre os testes após receber críticas por falta de transparência sobre os testes do produto.

    De acordo com The New York Times, os especialistas estavam particularmente preocupados com os testes da vacina da AstaZeneca, porque a empresa havia recusado conceder informações sobre uma "doença neurológica séria" em duas participantes voluntárias do Reino Unido.

    O primeiro caso de reações indesejáveis foi detectado há uma semana e meia. A mulher recebeu a primeira dose da vacina antes de desenvolver uma síndrome inflamatória da medula espinhal, conhecida também como mielite transversa. 

    A empresa não confirmou o diagnóstico no segundo caso de doença após a administração da vacina. Porém, uma pessoa familiarizada com a situação, citada pela mídia, disse que a voluntária registou a mesma síndrome.

    Segundo Mark Slifka, especialista em vacinas da Universidade de Oregon de Saúde e Ciência, citado pelo The New York Times, "se existem dois casos, então começa a parecer uma tendência perigosa".

    "Caso um terceiro caso de doença neurológica se manifeste no grupo de vacinados, essa vacina pode ser encerrada". 

    Mulher segura um pequeno frasco rotulado com adesivo dizendo Vacina COVID-19 e uma seringa médica, 10 de abril de 2020
    © REUTERS / Dado Ruvic
    Mulher segurando seringa dizendo "Vacina COVID-19"

    Paul Offit, professor da Universidade da Pensilvânia e membro do comitê de vacinas da Administração de Medicamentos e Alimentos dos EUA, considerou que não está claro como a empresa ou o governo do Reino Unido determinaram que o segundo caso não estava relacionado com a vacina, de acordo com a mídia.

    Ele sublinhou que a mielite transversa é uma doença bastante rara, diagnosticada em um em cada 236.000 americanos por ano. No Reino Unido, até o momento, cerca de 8.000 pessoas já foram vacinadas com o medicamento da AstraZeneca.

    Tema:
    COVID-19 no mundo em meados de setembro (32)

    Mais:

    Vacina russa Sputnik V desperta interesse em outro país da América Latina
    Primeira onda de COVID-19 no Hemistério Sul deve acabar em outubro, aponta estudo
    Demora do Brasil em aderir à COVAX Facility demonstra 'pequeneza' do governo, diz sanitarista
    Tags:
    Oxford, Reino Unido, vacina, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar