12:43 27 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Mundo e COVID-19 no final de agosto (52)
    3121
    Nos siga no

    O Reino Unido está se preparando para revisar suas leis para permitir o uso emergencial de vacinas contra o coronavírus antes do licenciamento final.

    O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou a medida nesta sexta-feira (28), acrescentando que somente serão registrados os medicamentos que atenderem aos padrões de segurança e qualidade exigidos, informou AP.

    A proposta em fase de estudo permitiria que as vacinas contra o coronavírus recebessem uma aprovação de emergência, permitindo que as pessoas fossem imunizadas enquanto o processo de licenciamento completo está sendo concluído. Normalmente, as vacinas entram em circulação somente após a conclusão da revisão do licenciamento, um processo que pode levar vários meses.

    Segundo o diretor-geral do Fundo Russo de Investimento Direto (RFPI, na sigla em russo), Kirill Dmitriev, há um grupo de países querendo acelerar o registro de vacinas para combater a pandemia.

    "O registro da vacina Sinovac contra a infecção pelo coronavírus através do procedimento acelerado em casos de situação de emergência na China demonstra que muitos países estão seguindo o caminho da Rússia nesta matéria. A China está começando a proteger seus médicos e professores segundo o modelo russo, disponibilizando a vacina aos grupos de alto risco", disse Dmitriev.

    Segundo ele, apesar de reservas iniciais, medidas semelhantes estão começando a ser avaliadas no Ocidente.

    "A necessidade de mecanismos para registro acelerado de medicamentos seguros e eficazes no contexto da pandemia está sendo aceita aos poucos também no Ocidente. A intenção de adotar revisões deste tipo na legislação local foi manifestada hoje pelo primeiro-ministro do Reino Undio, Boris Johnson, apesar dos meios de comunicação e especialistas britânicos, que ainda há poucos dias se referiam de forma extremamente negativa à decisão do Ministério da Saúde da Rússia de registrar a primeira vacina no mundo contra o coronavírus Sputnik V", destacou o alto funcionário russo.

    O diretor-geral do RFPI afirmou que pelo menos dez países parceiros do Fundo Russo de Investimento Direto estão estudando a experiência da Rússia para acelerar o registro de suas vacinas anti-COVID-19, se a sua formulação se fundamentar em tecnologias de eficiência comprovada, como o uso de adenovírus humano, que é o caso da Sputnik V.

    "Saudamos essa iniciativa dos nossos parceiros e estamos prontos para oferecer consultoria a todos os países que desejarem proteger a sua população e retomar rapidamente o seu crescimento econômico", concluiu Dmitriev.
    Tema:
    Mundo e COVID-19 no final de agosto (52)

    Mais:

    Desenvolvedora de vacina russa vai estudar resposta imune secundária em vacinados
    Brasil e Venezuela pediram à Rússia ajuda com vacina contra a COVID-19, diz vice-premiê russa
    Putin: 2ª vacina russa contra COVID-19 ficará pronta em setembro
    Tags:
    Reino Unido, Sputnik V, vacina, COVID-19, Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI), Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar