20:33 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    12118
    Nos siga no

    Aleksandr Venediktov, secretário-adjunto do Conselho de Segurança da Rússia, qualificou o ato de "expropriação ilegal" efetiva, pois Caracas diz precisar do dinheiro para combater a COVID-19.

    Reino Unido apreendeu na prática US$ 1 bilhão (R$ 5,44 bilhões) de ouro venezuelano armazenado no Banco da Inglaterra, em uma época em que a nação sul-americana está lutando contra a pandemia, criticou o secretário-adjunto do Conselho de Segurança da Rússia.

    "Caracas precisa urgentemente desse dinheiro para lidar com as consequências da pandemia, mas a Corte Superior de Londres declarou Guaidó legítimo chefe de Estado e se recusou a dar [o dinheiro] aos venezuelanos", disse Aleksandr Venediktov à Sputnik.

    "Ou seja, [é] efetivamente um ato de expropriação ilegal. Como devemos entender essa medida? Será que a partir de agora os bancos se tornarão a fonte de legitimidade? Preferiria que não", apontou.

    História do dinheiro venezuelano

    Em maio, o Banco Central da Venezuela entrou com uma ação judicial em um tribunal comercial em Londres para tentar forçar o Banco da Inglaterra a transferir as reservas de ouro da Venezuela, de forma a financiar o combate ao coronavírus no país.

    No entanto, em julho, a Corte Superior britânica se recusou a dar ao governo venezuelano acesso a 30 toneladas de ouro retidas pelo Banco da Inglaterra, depois que o oposicionista do presidente Nicolás Maduro, Juan Guaidó, apresentou sua própria reclamação. O tribunal disse que o Reino Unido "inequivocamente reconhece" o líder da oposição como presidente venezuelano.

    A tentativa da Venezuela de liberar seus ativos de ouro congelados no Reino Unido começou depois que os EUA e outros países ocidentais se recusaram a reconhecer os resultados das eleições presidenciais de 2018 na Venezuela, nas quais Maduro garantiu uma vitória esmagadora para outro mandato em meio a um colapso econômico no país.

    Neste momento, o Banco da Inglaterra detém cerca de US$ 1,13 bilhão (R$ 6,15 bilhões) em ouro venezuelano, impedindo que o governo Maduro tenha acesso a ele ou consiga transferi-lo para outro banco.

    Mais:

    Venezuela reivindica que Banco da Inglaterra devolva mais de US$ 1 bi em ouro, noticia Reuters
    Venezuela vende ouro no valor de US$ 40 milhões apesar dos esforços dos EUA de evitá-lo
    Bloomberg: Banco da Inglaterra se recusa a devolver ouro a Maduro
    Tags:
    COVID-19, Conselho de Segurança da Rússia, Rússia, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Banco Central da Venezuela, Reino Unido, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar