09:18 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    438
    Nos siga no

    À medida que a pandemia do coronavírus se alastra pela Venezuela, a nação sul-americana procura ter acesso às reservas de ouro detidas pelo banco central do Reino Unido.

    Devido ao fato de Londres não reconhecer a legitimidade do governo da Venezuela, os representantes legais britânicos procuram justificar a reivindicação venezuelana aos ativos nacionais.

    O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) foi acusado de "pôr vidas em risco" após ter negado um pedido da Venezuela para liberar mais de 800 milhões de libras esterlinas (R$ 5,2 bilhões) das reservas de ouro do país sul-americano atualmente retidas no Reino Unido.

    Os representantes legais do Banco Central da Venezuela (CBV) afirmaram que o BoE está mantendo "refém" o ouro venezuelano, uma vez que enfrentam uma "emergência humanitária" devido à pandemia do coronavírus.

    Os advogados do banco afirmam que a urgência da situação no país, atualmente bloqueado pelos Estados Unidos para destituição da atual administração, significa que a relutância do Banco da Inglaterra em liberar o ouro está causando danos adicionais à nação rica em petróleo.

    "Esta é uma emergência humanitária. Durante este período crítico, o Banco Central da Venezuela negociou com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para garantir que todos os fundos obtidos com a venda do ouro venezuelano sejam utilizados na luta contra a COVID-19, e a intransigência contínua do Banco da Inglaterra está colocando milhares de vidas em risco", afirmou Sarosh Zaiwalla, sócio principal da sociedade de advogados Zaiwalla & Co, informou a agência Bloomberg.

    O presidente do Parlamento Europeu disse que, durante uma crise internacional, a Venezuela está sendo "impedida de ter acesso" aos seus recursos.

    "Com efeito, as reservas de ouro da nação no Banco da Inglaterra estão sendo reféns de fatores políticos ditados pela política externa dos Estados Unidos e de alguns dos seus aliados. Enquanto isso, há um risco muito real de que o povo da Venezuela venha a sofrer", afirmou.

    As autoridades britânicas afirmam que tencionam atribuir os fundos ao PNUD a fim de adquirirem "equipamento de saúde, medicamentos e alimentos básicos" à medida que a pandemia do coronavírus se espalha pela Venezuela, com 3.062 casos confirmados e 26 mortes, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, EUA.

    O Supremo Tribunal do Reino Unido vai ouvir na próxima semana um litígio sobre se a direção do banco venezuelano nomeado pelo presidente do país, Nicolás Maduro, tem capacidade para ordenar a venda do ouro.

    Uma crise política

    O Banco da Inglaterra se recusa a liberar os ativos de ouro devido ao fato de Maduro não ser reconhecido como chefe de Estado oficial da Venezuela pelo Reino Unido. Em vez disso, Londres considera o autoproclamado Juan Guaidó como o "presidente interino" venezuelano.

    Sob o governo Maduro, o país tem mergulhado em uma grave crise econômica. A administração vem tentando, desde 2018, recuperar 31 toneladas de ouro detidas pelo BoE.

    Uma das novas notas britânicas de 10 libras em frente ao Banco da Inglaterra na cidade de Londres.
    © AP Photo / Matt Dunham
    Uma das novas notas britânicas de 10 libras em frente ao Banco da Inglaterra na cidade de Londres.

     

    O banco serve de depósito dos milhões de ouro de vários países, e detém um total de cerca de 400.000 barras de ouro venezuelano no valor de 200 bilhões de libras (R$ 1,3 trilhão), que até agora se recusam a liberar.

    O Banco Central venezuelano está solicitando a liberação imediata de 930 milhões de euros (R$ 6,04 bilhões) de ouro em ordem judicial.

    Como resultado da presidência contestada, o BoE alega que não pode garantir que qualquer autoridade beneficiária tenha direito aos bens venezuelanos. O autoproclamado presidente interino Guaidó foi autorizado a ocupar um cargo no processo do Supremo Tribunal e criou sua própria organização rival, alegando estar na direção.

    Guaidó alegou que a situação deu efetivamente ao Supremo Tribunal a responsabilidade de decidir quem é o governo legítimo da Venezuela. O Ministério das Relações Exteriores britânico se recusou a dizer se considera Maduro ou Guaidó o presidente e, em vez disso, destacou o reconhecimento de Guaidó pelo governo de Theresa May, em fevereiro de 2019.

    As autoridades venezuelanas deverão argumentar ao Supremo Tribunal que, uma vez que o Reino Unido mantém relações diplomáticas com o governo Maduro, o reconhecimento e a soberania sobre os bens de ouro devem ser decididos com base em quem tem "controle efetivo sobre o território do Estado".

    Em janeiro de 2019, a Venezuela caiu em uma crise política quando o então líder da Assembleia Nacional controlada pela oposição, Juan Guaidó, se proclamou presidente interino, em uma tentativa de destituir o presidente Maduro do poder.

    Estados Unidos e maioria dos países ocidentais apoiaram Guaidó e aplicaram sanções devastadoras à Venezuela. Rússia, China, Turquia e outras nações têm apoiado Maduro.

    Mais:

    Campanha de pressão? Irã rejeita alegação dos EUA de receber ouro da Venezuela
    Venezuela vende ouro no valor de US$ 40 milhões apesar dos esforços dos EUA de evitá-lo
    Banco americano Citigroup planeja vender ouro venezuelano em outro golpe contra Maduro
    Tags:
    Universidade Johns Hopkins, Parlamento Europeu, COVID-19, PNUD, Juan Guaidó, Banco Central da Venezuela, Reino Unido, EUA, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar