19:32 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    COVID-19 e o mundo no final de julho (43)
    131
    Nos siga no

    Manter as fronteiras internacionais fechadas por muito tempo diante da COVID-19 dificilmente seria possível, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). A declaração da entidade surge quando os picos do vírus em alguns países provocam o medo de uma segunda onda.

    As medidas básicas de proteção continuam usando máscaras e mantendo o distanciamento social, apontou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. Ele elogiou o Canadá, China, Alemanha e Coreia do Sul por suas conquistas significativas no combate à pandemia, devido à estrita adesão às regras.

    Enquanto isso, outro funcionário da OMS considera extremamente difícil manter o mundo hermeticamente fechado por muito mais tempo.

    "Será quase impossível para países individuais manter suas fronteiras fechadas no futuro próximo", avaliou o chefe do programa de emergências da OMS, Mike Ryan.

    "As economias precisam se abrir, as pessoas precisam trabalhar, o comércio precisa retomar", acrescentou.

    As autoridades da OMS fizeram suas declarações depois que o governo britânico reintroduziu a quarentena de 14 dias para os viajantes que retornam da Espanha para o Reino Unido. Uma recente onda de novos casos de COVID-19 estava por trás da decisão apressada de Londres de remover o país da lista segura.

    Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, se faz presente em uma coletiva em Genebra
    © REUTERS / Denis Balibouse
    Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, se faz presente em uma coletiva em Genebra

    No fim de semana, as autoridades britânicas reposicionaram - sem aviso prévio - requisitos de quarentena para turistas que retornam da Espanha. A mudança inesperada causou caos nos aeroportos britânicos e inquietação entre os turistas que retornaram. O governo, no entanto, disse que estava certo, pois precisa reagir rapidamente aos riscos emergentes.

    Após um breve alívio no meio do verão no Hemisfério Norte, muitos países estão pensando em impor políticas mais rigorosas de proteção antivírus, pois o número de casos confirmados voltou a aumentar nas últimas semanas em todo o mundo.

    A União Europeia (UE) decidiu suspender as restrições de viagem para 15 países fora da UE a partir de 1º de julho. A China foi marcada como segura, enquanto países como Rússia, EUA, Índia e Brasil - todos com milhares de novas infecções diariamente - foram excluídos.

    Estados fora da UE nem sempre estão correndo para abrir suas fronteiras. A Rússia, por sua vez, até agora só permitiu viagens aéreas ao exterior para o Reino Unido, Turquia e Tanzânia a partir de 1º de agosto.

    Tema:
    COVID-19 e o mundo no final de julho (43)

    Mais:

    Crise da COVID-19: FMI aprova crédito de US$ 4,3 bilhões à África do Sul
    Brasil tem 685 mortes em 24h e chega a quase 88 mil óbitos por COVID-19
    Povo precisa se unir para controlar a COVID-19 no Brasil, diz virologista
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, fronteiras, saúde, OMS, União Europeia, Europa, Reino Unido, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar