19:13 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 no mundo no fim de junho (34)
    1110
    Nos siga no

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) enviou um alerta nesta segunda-feira (22) sobre os perigos do novo coronavírus, mesmo com países como a França flexibilizando as restrições, e outros já temendo uma segunda onda para muito breve.

    Apesar de vários países europeus reduzirem ainda mais suas restrições de distanciamento social, os casos em todo o mundo estão aumentando, especialmente na América Latina, com o Brasil registrando agora mais de 50 mil mortes.

    Também há temores de uma segunda onda com os australianos sendo advertidos contra viajar para Melbourne, a segunda maior cidade do país.

    "A pandemia ainda está se acelerando", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ao fórum virtual de saúde organizado a partir de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

    "Sabemos que a pandemia é muito mais que uma crise de saúde, é uma crise econômica, uma crise social e, em muitos países, uma crise política. Seus efeitos serão sentidos nas próximas décadas", acrescentou.

    Ghebreyesus explicou que a maior ameaça que o mundo enfrenta não é o próprio vírus, que já matou mais de 465 mil pessoas e infectou quase nove milhões em todo o mundo, mas "a falta de solidariedade global e liderança global".

    "Não podemos derrotar essa pandemia com um mundo dividido", destacou. "A politização da pandemia a exacerbou".

    O Brasil se enquadra nesta categoria, com o presidente Jair Bolsonaro comparando o vírus a uma "gripezinha" e argumentando que o impacto econômico do distanciamento social costuma ser pior do que o próprio vírus.

    O Brasil é o segundo país mais afetado, atrás dos Estados Unidos, outro país onde lutas políticas impediram uma política unificada para lidar com o vírus em seus 50 estados.

    A disseminação da COVID-19 está acelerando na América Latina, com o México, o Peru e o Chile também sendo atingidos com força, com o número de mortos aumentando e as unidades de saúde sendo levadas ao colapso.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 no mundo no fim de junho (34)

    Mais:

    China tem dificuldades para realizar testes e vacina contra COVID-19 não ficará disponível em 2020
    Índia registra mais de 400 mil casos de COVID-19 com 15 mil infectados em um dia
    Vacina russa poderá proteger pessoas da COVID-19 durante mais de 2 anos, diz fabricante
    Tags:
    Donald Trump, Jair Bolsonaro, pandemia, saúde, França, novo coronavírus, COVID-19, OMS, Austrália, Estados Unidos, Europa, Emirados Árabes Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar