07:38 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    225913
    Nos siga no

    As imagens mostram o momento do lançamento do míssil e seu voo, acompanhado por um caça Su-27 da Força Aérea ucraniana, a baixa altitude sobre o mar Negro.

    "Recentemente, o míssil de cruzeiro R-360 do complexo RK-360MTS Neptun passou com sucesso na fase de testes, durante a qual fez um voo de várias centenas de quilômetros em uma determinada rota e altitudes, o que confirmou suas características de voo", informou o Ukrainsky Militarny Portal.

    De acordo com Oleg Korostelev, chefe do escritório de projetos de defesa ucraniano Luch, do consórcio estatal ucraniano Ukroboronprom, o míssil voou mais de 250 quilômetros ao longo da rota especificada.

    O R-360 pesa 870 quilos e pode transportar uma ogiva de 150 quilos. O alcance é de até 280 quilômetros, com uma velocidade de cerca de 900 km/h, enquanto a altitude do voo sobre a superfície do mar é de três a dez metros.

    O complexo pode lançar simultaneamente até 24 mísseis. As autoridades ucranianas anunciaram os testes do Neptun em abril deste ano.

    Míssil capaz de destruir Ponte da Crimeia?

    A Rússia considera que o desenvolvimento deste complexo se baseia no antigo míssil soviético X-35.

    Em julho, o ex-secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, Oleksandr Turchynov, disse que esses mísseis são supostamente capazes de destruir em poucos minutos a recém-construída  Ponte da Crimeia, que liga a península à parte continental da Rússia.

    Em resposta, o deputado russo Vladimir Zhirinovsky afirmou que, se tal acontecesse, a Ucrânia "deixaria de existir como Estado".

    Mais:

    Ucrânia tem potencial para criar armas nucleares, diz general ucraniano
    Departamento de Estado dos EUA aprova venda de mísseis Javelin para Ucrânia
    Cópia de antigo míssil soviético? Testes do 'inovador' Neptun ucraniano causam polêmica
    Tags:
    voo de teste, SU-27, Ucrânia, míssil de cruzeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar