17:50 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro de Portugal, António Costa, à direita e Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, à esquerda

    Para Portugal OTAN seria ameaça mais séria que 'inimigos imaginários'

    © AFP 2019 / PATRICIA DE MELO MOREIRA
    Europa
    URL curta
    14485
    Nos siga no

    No dia 3 de dezembro ocorrerá em Londres a cúpula da OTAN, onde serão celebrados os 70 anos da criação do bloco político-militar.

    Diante da cúpula, que deve ocorrer nos dias 3 e 4 de dezembro, alguns portugueses devem realizar protestos, no dia 3 em Lisboa e no dia seguinte no Porto, com o objetivo de denunciar a "vocação agressiva" da OTAN, além de reclamar sua dissolução e exigir ao governo de Portugal que rejeite "o militarismo e a guerra".

    Apesar de ser um dos membros fundadores, Portugal deve refletir sobre sua participação dentro da organização e pensar se realmente vale a pena seguir a doutrina e as pretensões da OTAN, ou apenas seguir e realizar seus caprichos.

    Sabe-se que uma das principais razões de os EUA terem cortejado Portugal foi a sua posição geoestratégica, nomeadamente os Açores, também chamados de "Trampolim Atlântico", de fundamental importância devido a sua centralidade marítima entre os dois continentes.

    Porta-voz da OTAN e ex-primeiro ministro da Noruega, Jens Stoltenberg
    © AP Photo / Virginia Mayo
    Porta-voz da OTAN e ex-primeiro ministro da Noruega, Jens Stoltenberg

    Os interesses da organização seguem os mesmos nos dias atuais. Entretanto, o pensamento da OTAN não reflete o que foi traçado por seus fundadores, já que não há qualquer ameaça para muitos dos países-membros. Além disso, agora a OTAN estaria focando seu objetivo no Atlântico Sul, envolvendo Cabo Verde, Brasil e Angola, deixando de lado seu real propósito.

    O "conceito estratégico" da OTAN está se tornando obsoleto e inadequado, ao mesmo tempo que o presidente norte-americano, Donald Trump, exige maior equilíbrio no esforço financeiro da organização e que os EUA decidem "encher" os países europeus com armas para conter seus "inimigos imaginários".

    E é exatamente isso o que está incentivando os protestos que deverão ocorrer nos próximos dias. As organizações inclusive publicaram um manifesto, na página do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), contra o aumento das despesas militares.

    Com isso, surge a ideia de que a organização hoje é apenas um grande capricho para suprir as necessidades dos EUA através da venda de armas e de inimigos que apenas os norte-americanos veem.

    "Ao longo das décadas, a OTAN protagonizou e apoiou golpes de Estado, guerras de agressão e ocupações militares", denuncia o manifesto, enfatizando que o bloco constitui "a mais séria ameaça à paz e à segurança no mundo".

    OTAN aumentará gasto com Defesa

    Um exemplo disso é a pressão exercida pelos EUA para que a Europa e o Canadá destinem uma quantia maior de dinheiro a despesas militares. Os EUA exigem que os países-membros gastem 2% do PIB em defesa.

    De acordo com o jornal Público, Portugal gastou 1,35% do PIB em defesa em 2018 e deve elevar esses gastos para 1,66%, ou até mesmo 1,98%, se conseguir obter fundos comunitários entre 2021 e 2027. Neste ano, Portugal elevou seus gastos para 1,41% do PIB, ou seja, a estimativa é que neste ano Portugal gaste quase € 3 milhões (R$ 14 milhões).

    Mike Pompeo fala com jornalistas durante comitiva de imprensa na sede da OTAN em Bruxelas
    © AP Photo / Francisco Seco
    Mike Pompeo fala com jornalistas durante comitiva de imprensa na sede da OTAN em Bruxelas

    Contudo, o ministro da Defesa de Portugal, João Gomes Cravinho, afirma que as contribuições dos países aliados para a OTAN não devem ser medidas "apenas pela porcentagem do PIB", mas também pelos projetos de "partilha de responsabilidades", segundo o Jornal Económico.

    Resta saber o quanto e se realmente vale a pena tamanho investimento em uma aliança militar que cria "inimigos imaginários" para elevar a comercialização de armas e obter benefícios próprios em prol de seus interesses mundiais, ressaltando o fato de Portugal ser um país pacífico e não sofrer qualquer ameaça.

    Mais:

    Sempre cabe mais um no Ártico para OTAN
    Moscou acusa OTAN de arrastar outros países em atividades miliares no Ártico
    Erdogan retruca comentário de Macron sobre OTAN: deve checar sua própria 'morte cerebral'
    Tags:
    armas, inimigos, interesses financeiros, interesses econômicos, interesses, guerra, OTAN, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar