11:43 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O portão principal da base aérea em Buechel, Alemanha

    Chanceler alemão apela ao desarmamento, mas rejeita remover bombas nucleares americanas

    © AP Photo / Stringer
    Europa
    URL curta
    514
    Nos siga no

    O ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, rejeitou pedidos para retirar as bombas nucleares estadunidenses de seu país, apesar de viajar para Hiroshima nesta sexta-feira para mostrar apoio ao esforço global pelo desarmamento nuclear.

    Os partidos alemães Verde e A Esquerda, bem como os social-democratas de Maas, pediram repetidamente ao governo que pare de armazenar cerca de duas dúzias de bombas termonucleares B61 na base aérea de Buechel, onde vários jatos de combate ficam a postos em caso de emergência.

    "Mover armas nucleares de um país para outro não ajuda. Se elas desaparecem, devem desaparecer em todos os lugares", afirmou Maas, segundo a agência de notícias alemã dpa.

    O principal diplomata alemão falou durante uma breve visita a Hiroshima, no Japão, a caminho da reunião dos ministros de Relações Exteriores do G20 em Nagoya.

    Ele usou a escala para se reunir com sobreviventes do ataque nuclear de agosto de 1945 na cidade pela Força Aérea dos EUA, que havia matado 140.000 no final daquele ano.

    Falando antes de sua viagem na quinta-feira, Maas disse que faria campanha pelo desarmamento nuclear e não proliferação. Ele argumentou nesta sexta-feira que o desarmamento exigia uma "base mais ampla" e não poderia ser alcançado por compromissos unilaterais.

    Mais:

    Alemanha nega posicionamento de novas armas nucleares em seu território
    Relações 'destruídas' de EUA e Rússia são a 'maior ameaça' à paz, diz ministro alemão
    Alemanha participa de manobras da OTAN para treinar defesa com armas nucleares
    Tags:
    segurança, defesa, Buechel, armas nucleares, desnuclearização, bomba atômica, bomba termonuclear, bomba nuclear, Partido Verde, Die Linke, Heiko Maas, Parque Memorial da Paz de Hiroshima, Bomba de Hiroshima, Hiroshima, Japão, Estados Unidos, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar